Ganhar em dólar e trabalhar em casa nunca fizeram tanto sentido

Ganhar em dólar e trabalhar em casa nunca fizeram tanto sentido

Pedro Stuani*

12 de abril de 2021 | 03h30

Pedro Stuani. FOTO: DIVULGAÇÃO

Mudança de comportamento das empresas, ferramentas tecnológicas que possibilitam realizar tarefas e reuniões sem sair de casa e a escalada do dólar mostram que você pode estar muito mais perto do que imagina de ter um patrão estrangeiro.

Aprender inglês é fundamental. Em algum lugar do passado esta frase foi ouvida por você, na infância, adolescência ou mesmo na fase adulta. Fato é que as mudanças pelo qual passa o planeta em meio à pandemia fizeram desta frase uma verdade absoluta. Não se trata mais de aprender para poder viajar ou acrescentar um novo idioma ao currículo.

Pesquisa realizada por uma rede de franquias de idiomas, mostra que o brasileiro busca o inglês para o futuro e não tanto por uma demanda que está ali, no presente, e que a grande maioria entende que falar um segundo idioma vai trazer mais oportunidades de trabalho a médio e longo prazo.

Até aí, nenhuma grande novidade. O divisor de águas, no entanto, está no momento em que vivemos. A quebra de paradigmas relacionados ao formato do trabalho nos últimos 400 dias que tendem a mudar a história do planeta para sempre são uma explicação pra lá de válida para quem busca no exterior uma opção de trabalho. A diferença é simples. Hoje, trabalhar para uma empresa estrangeira é feito tranquilamente da sua própria casa, aqui mesmo, no Brasil.

Reportagem publicada recentemente no jornal O Estado de S.Paulo, mostra exatamente isso. A demanda de contratações de empresas estrangeiras em busca de brasileiros aumentou mais de 30%. O salário médio pago a estes profissionais está na casa de R$ 20 mil mensais. Parece positivo para você?

Mas quais são as explicações para este movimento? Eu diria que globalmente as empresas finalmente entenderam que é possível oferecer bons resultados e entrega efetiva trabalhando em home office. A lição de casa tecnológica e os organogramas possibilitam isso há pouco tempo, mas agora é um fato. Não precisamos ir muito longe. Como eram as ferramentas de teleconferência há dois ou três anos? Lentas, nada intuitivas e completamente não confiáveis. E hoje, como são?

Do lado de cá, a resposta para o interesse do brasileiro neste mercado gringo que contrata sem a necessidade você arrumar as malas e encarar novos hábitos e uma nova cultura de uma hora para outra são também muito simples e o maior deles, amigos, é financeiro. A escalada do dólar explica isso de maneira matadora. Afinal, o salário médio de R$ 20 mil pagos por uma empresa estrangeira como dito acima representam pouco mais de US$ 3 mil. Ganhar em dólar e gastar em real é o novo sonho de consumo no mercado de trabalho tupiniquim.

A busca pelo aprendizado está em alta, agora com motivos reais para apostar na qualificação e a boa notícia é que as escolas estão mais do que preparadas para isso. Plataformas de ensino intuitivas, aulas ilimitadas, professores à disposição em horários mais do que alternativos e é claro, sem a necessidade do método presencial.

Receber uma oferta de trabalho vinda de fora do país está mais perto do que você imagina. Pode ter certeza!

*Pedro Stuani, CEO da Times Idiomas

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.