Galloro vai focar no crime organizado

Galloro vai focar no crime organizado

Novo diretor-geral da PF, que toma posse nesta sexta-feira, 2, convidou para integrar a cúpula da instituição delegados especialistas no combate a organizações criminosas

Fabio Serapião / BRASÍLIA

02 Março 2018 | 05h00

Rogério Galloro. FOTO: ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

Com a posse marcada para esta sexta-feira, 2, o novo diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, convidou para formar a cúpula da instituição delegados que são especialistas em combate ao crime organizado. A expectativa na corporação é de que, com o novo comando, a PF consiga ser a protagonista na atuação contra as organizações criminosas ligadas ao narcotráfico e a desvios de dinheiro público dentro da nova formatação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública.

+ Jungmann tira Segovia da chefia da PF

+ ARTIGO: Que sirva de lição

Delegado federal há 23 anos, Galloro é visto como de perfil técnico, com maior afinidade para cargos administrativos. Antes de ser diretor executivo na gestão de Leandro Daiello, Galloro foi superintendente em Goiás, diretor de Administração e Logística e adido policial nos Estados Unidos.

Durante a gestão de Daiello, o novo diretor-geral atuou como coordenador das forças da PF na Copa de 2014 e na Olimpíada de 2016. Desde 2017, quando assumiu a Secretaria Nacional de Justiça, ele também integra o Comitê Executivo da Interpol.

+ Associação pede medidas de ‘proteção’ à PF

Galloro é apontado por delegados como um gestor discreto cuja principal característica é a capacidade de ouvir e criar consenso. O novo diretor não tem passagens em grandes operações, mas é lembrado pela atuação ativa em cargos administrativos da PF.

+ Delegados pedem ao novo chefe da PF ‘independência funcional’

+ Peritos querem PF ‘livre de pressões políticas’

Para chefiar a Diretoria de Inteligência Policial, Galloro convidou Umberto Rodrigues, ex-superintendente em Goiás. Rodrigues está há 14 anos na PF. Na corporação, integrou a delegacia de repressão ao tráfico de entorpecentes no Amazonas. Entre 2011 e 2013, atuou como subsecretário de Segurança no Amazonas. Para defender sua tese de mestrado, o novo chefe da Inteligência analisou todos os inquéritos instaurados pela PF do Amazonas entre os anos de 2011 e 2013.

+ Mudança na cúpula da PF não põe em risco a Lava Jato, avaliam especialistas

Rodrigues é um estudioso do tráfico de drogas na Região Norte, em especial no Amazonas. Sede de uma das maiores facções do Brasil, da Família do Norte (FDN), a área é a principal rota de entrada de cocaína do País e alvo da disputa entre os grupos Comando Vermelho (CV) e Primeiro Comando da Capital (PCC).

+ Quem é Rogério Galloro, novo chefe da PF

+ Federais atribuem queda de Segovia a ‘declarações conturbadas’

Para defender sua tese de mestrado, o novo chefe da Inteligência analisou todos os inquéritos instaurados pela PF do Amazonas entre os anos de 2011 e 2013. Como resultado, Rodrigues mapeou o perfil dos grupos criminosos e traficantes atuantes na região e conseguiu até definir quais eram os principais rios que serviam como rota de entrada para a cocaína produzida no Peru e na Colômbia.

O atual diretor regional no Distrito Federal, Élzio Vicente da Silva, foi chamado para cuidar do combate ao crime organizado. Dentro da corporação, o delegado é visto como um dos mais bem preparados para atuar na coordenação de operações especiais e seu nome sempre aparece na lista de possíveis diretores-gerais. No seu currículo tem grandes operações de combate ao tráfico de drogas, como a Operação X, e em crimes de colarinho braco atuou, entre outras, na Chacal.