Gabriela Hardt suspende repasse de R$ 500 milhões da Lava Jato para combate ao coronavírus até decisão do Supremo

Gabriela Hardt suspende repasse de R$ 500 milhões da Lava Jato para combate ao coronavírus até decisão do Supremo

Juíza disse que entrave judicial sobre a verba é 'celeuma'; Advocacia-Geral da União pediu ao Supremo que garanta autonomia do governo para direcionar os recursos da operação

Paulo Roberto Netto

27 de julho de 2020 | 22h39

A juíza federal substituta Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, suspendeu o repasse de R$ 500 milhões obtidos pela Lava Jato que seriam destinados ao combate do novo coronavírus. A decisão congela a verba até o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir sobre ação apresentada pelo governo federal, que questiona os critérios de direcionamento dos recursos.

Documento

Hardt autorizou repasse proposto pela força-tarefa da Lava Jato em junho deste ano, apontando que os valores depositados em juízo poderiam chegar a R$ 508 milhões. A juíza aprovou o repasse com base em recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que prevê a priorização das verbas para aquisição de materiais médicos necessários no combate à covid-19.

Após aceitar a verba, a União se manifestou perante o STF para pedir a autonomia para decidir sobre a destinação dos valores. O governo argumentou que não cabe ao Judiciário, provocado pelo Ministério Público Federal, fixar a aplicação das verbas sem participação dos órgãos para a execução orçamentária. A petição da Advocacia-Geral da União foi apresentada em ação movida pelo PDT e PT, que questionam, desde antes da pandemia, os repasses efetuados pela Lava Jato.

O entrave judicial foi chamado por Gabriela Hardt de ‘celeuma’.

Gabriela Hardt. Foto: Reprodução/Ajufe

Segundo a juíza destacou, a petição apresentada pela Lava Jato para autorizar a transferência das verbas constava ‘o entendimento prévio entre o Ministério Público Federal, Controladoria-Geral da União e Advocacia-Geral da União, além da expedição de ofício ao órgão do governo federal responsável’.

“Contudo, em razão da celeuma gerada, termino a presente decisão, em 24 de julho de 2020, quando o Brasil registra 84.002 mortes provocadas pela covid-19 e 2.287.475 de casos confirmas da doença do país, acolhendo o pedido do MPF para o fim de determinar a suspensão do prazo para recurso da decisão que destinou tais valores para tal fim específico até que haja decisão sobre a questão pela Suprema Corte”, afirmou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: