Fux rejeita habeas do ex-governador do DF

Fux rejeita habeas do ex-governador do DF

Ministro do Supremo nega seguimento a pedido da defesa de José Roberto Arruda que buscava produzir novas provas em ação penal em que é réu por falsidade ideológica e corrupção

Redação

10 Julho 2018 | 11h00

Luiz Fux. FOTO: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

O ministro Luiz Fux, do Supremo, negou seguimento – julgou inviável – ao Habeas Corpus (HC) 157956, no qual a defesa do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda buscava o direito de produzir novas provas em ação penal a que ele responde na Justiça do DF.

O ex-governador foi denunciado pela suposta prática dos crimes de falsidade ideológica e corrupção de testemunha em razão de fatos decorrentes da Operação Caixa de Pandora.

As informações foram divulgadas no site do Supremo – Processo relacionado: HC 157956

Segundo a denúncia, Arruda teria oferecido, por meio de corréu, vantagem a um jornalista para que fizesse declarações falsas em seu favor no âmbito da investigação.

De acordo com os autos, após o interrogatório dos réus e manifestação final das partes, a defesa de Arruda requereu quebra de sigilos bancários e fiscais, bem como a oitiva de novas testemunhas, tendo em vista a notícia de que a suposta vítima do ex-governador teria recentemente realizado saque de grande quantia e adquirido imóveis, o que, segundo os advogados, reforçaria a tese de simulação dos fatos.

Os pedidos, no entanto, foram negados pelo juízo da 7.ª Vara Criminal de Brasília por considerar tais provas ‘desnecessárias’.

Habeas corpus buscando a nulidade da decisão de primeira instância foram negados, sucessivamente, pelo Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT) e pelo Superior Tribunal de Justiça.

No Supremo, a defesa de José Roberto Arruda alegou que a negativa de produção de novas provas violaria os princípios da ampla defesa, do contraditório e do devido processo legal.

Fux não verificou qualquer flagrante ilegalidade ou abuso de poder que autorizasse a concessão do habeas corpus.

O ministro citou trechos das decisões das instâncias anteriores que assentam a desnecessidade das diligências requeridas diante do fundado risco de não serem efetivas, pois as condutas da vítima, apontadas pela defesa, já foram objeto de investigações e todas redundaram em pedido de arquivamento.

“Não há que se falar em nulidade decorrente do suposto cerceamento de defesa”, afirmou Fux.

O relator ressaltou ainda que o magistrado, como destinatário da prova produzida, possui poder para indeferir as provas consideradas irrelevantes, impertinentes ou protelatórias, nos termos do artigo 400, parágrafo 1º, do Código de Processo Penal. Além disso, segundo o ministro, para se concluir pela essencialidade das diligências requeridas seria necessário o exame de provas e fatos, o que é inviável por meio de habeas corpus.

A reportagem está tentando contato com a defesa de Arruda. O espaço está aberto para manifestação.