Fux nega restabelecer restrições ao transporte coletivo na pandemia de Curitiba

Fux nega restabelecer restrições ao transporte coletivo na pandemia de Curitiba

Tribunal de Contas e de Justiça do Paraná tiveram decisões opostas sobre circulação na capital; cidade tem mais de 4,1 mil mortes por covid-19

Rayssa Motta e Fausto Macedo

09 de abril de 2021 | 10h56

O ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), negou restabelecer os efeitos da decisão do Tribunal de Contas do Paraná que obrigou a prefeitura de Curitiba a reduzir parcialmente a circulação no transporte público diante da nova escalada da pandemia.

Documento

A ordem havia sido derrubada pelo Tribunal de Justiça do Estado, que atendeu a um recurso do prefeito Rafael Greca (DEM). No Supremo, a Corte de Contas tentava reverter a decisão.

No entanto, na avaliação de Fux, não ficou provada a existência de potencial lesão grave ao interesse público que justificasse a concessão da medida. O ministro observou que tanto o Tribunal de Contas quanto a prefeitura apresentaram dados técnicos e, na prática, se absteve de arbitrar a briga.

“A existência de controvérsia efetiva acerca das recomendações técnico-científicas aplicáveis à discussão havida no processo de origem afasta, por si só, a possibilidade de concessão da contracautela ora pleiteada, dado que, nos termos da pacífica jurisprudência deste Supremo Tribunal Federal, não se revela possível, na via estreita e excepcional do incidente de suspensão, a análise do conjunto probatório produzido nos autos de origem”, escreveu.

Fux negou restabelecer restrições ao transporte coletivo na capital paranaense. Foto: Prefeitura de Curitiba

De um lado, o Tribunal de Contas do Paraná se opõe ao funcionamento do serviço público de transporte coletivo em operação máxima, por considerar que a ocupação dos ônibus fica acima do percentual seguro de passageiros já estabelecido pela fiscalização da Corte.

Na outra ponta, a prefeitura argumenta que não há evidências científicas que associem o transporte coletivo como indutor de transmissão de doenças, tampouco ao contágio ao covid-19, e que o aumento das restrições ao transporte público na capital paranaense gera prejuízos sociais ‘severos’.

Curitiba tem mais de 179 mil casos confirmados de coronavírus e registrou mais de 4,1 mil mortes, segundo o boletim atualizado nesta quinta-feira, 8, pela prefeitura.

Tudo o que sabemos sobre:

Curitiba [PR]PandemiaLuiz Fux

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.