Fux liga para governador do Amazonas e oferece ajuda do Judiciário

Fux liga para governador do Amazonas e oferece ajuda do Judiciário

Presidente do Supremo Tribunal Federal disse que acompanha com atenção a situação do Estado, que vive um dos cenários mais críticos desde o início da pandemia de covid-19, e se colocou à disposição para ajudar com questões de Justiça

Rayssa Motta

15 de janeiro de 2021 | 18h03

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux. Foto: André Dusek/Estadão

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), recebeu nesta sexta-feira, 15, uma ligação do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux. O ministro se colocou à disposição para ajudar ‘no âmbito das competências do Judiciário’.

Na conversa, Fux disse estar atento à situação do Estado que, com a explosão de novos casos da covid-19, vive um dos cenários mais críticos desde o início do surto da doença.

A ligação foi confirmada pela assessoria de imprensa do tribunal. “Em nosso país nenhum compatriota pode morrer por falta de ar. O Amazonas pede socorro e o Brasil tem de ouvir esse grito. A sociedade civil e os poderes constituídos devem se unir para juntos enfrentarem essa emergência”, disse Fux, em nota, sobre a conversa.

O governador do Amazonas, Wilson Lima. Foto: Divulgação/Governo do Estado do Amazonas

O Amazonas começou a transferir pacientes para outros Estados e a reabastecer os estoques de oxigênio, que chegaram a ficar zerados em alguns hospitais da capital Manaus, levando pessoas internadas com o novo coronavírus à morte por asfixia. Até esta quinta-feira, 14, mais de 223 mil pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus e mais de 5,9 mil morreram com a doença em todo o Estado.

Mais cedo, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), sediado em Brasília, rejeitou parcialmente o recurso apresentado pelo governo federal e manteve a decisão que suspendeu a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no Estado em razão da nova escalada pandemia. Mais de 160 mil estudantes amazonenses estão inscritos no vestibular, principal meio de ingresso no ensino superior do País. Nos termos da nova decisão, as provas devem ser adiadas para os dias 23 e 24 de fevereiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.