Fux diz que Observatório de Direitos Humanos do CNJ vai apoiar vítimas das chuvas em Petrópolis

Fux diz que Observatório de Direitos Humanos do CNJ vai apoiar vítimas das chuvas em Petrópolis

Presidente do Supremo Tribunal Federal anunciou que grupo de trabalho vai monitorar 'questões jurídicas e institucionais' para garantir direitos das comunidades atingidas na Região Serrana do Rio

Rayssa Motta

17 de fevereiro de 2022 | 15h47

Morro da Oficina, em Petrópolis, na tarde da quarta-feira, 16, após temporal que deixou mortos, feridos e desabrigados. Foto: Wilton Júnio/Estadão

O ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), anunciou nesta quinta-feira, 17, que o Observatório de Direitos Humanos do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vai apoiar as vítimas das chuvas em Petrópolis, na Região Serrana do Rio.

Os temporais que atingem a cidade causaram deslizamentos e deixaram ao menos 106 mortos. O número de vítimas, no entanto, vem subindo à medida em que avança o trabalho do Corpo de Bombeiros nas áreas atingidas.

A ideia, segundo Fux, é que o observatório do CNJ passe a monitorar ‘questões jurídicas e institucionais que envolvem a preservação dos direitos fundamentais das comunidades atingidas’. Também será montado um espaço para recebimento de doações em Brasília.

O anúncio foi feito nesta nesta quinta-feira, 17, antes de dar início aos julgamentos no plenário do STF. Natural do Rio de Janeiro, o ministro também aproveitou para prestar solidariedade aos familiares das vítimas e ao trabalho de resgate.

“Não são apenas números, são pais que perderam seus filhos, são os  filhos que se tornaram órfãos, são idosos que não conseguiram se evadir a tempo. É impossível não se emocionar com os relatos de quem cavou as próprias mãos, em busca de seus entes queridos que se encontram desaparecidos. centenas de famílias perderam as suas casas e os seus bens. Não será fácil a reconstrução da cidade”, afirmou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.