Funaro entrega à PF imagens de contatos com Geddel

Funaro entrega à PF imagens de contatos com Geddel

Para investigadores, contatos reforçam suspeita de que ex-ministro de Temer estaria preocupado com uma eventual delação premiada do aliado de Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

Fabio Serapião, Julia Affonso e Ricardo Brandt

21 de junho de 2017 | 19h51

Aliado do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Lucio Bolonha Funaro entregou à Polícia Federal reproduções de diálogos entre sua mulher, Raquel Funaro, e o ex-ministro Geddel Vieira Lima, do Governo Michel Temer. As correspondências pelo aplicativo WhatsApp foram registradas em oito datas entre 17 de maio e 1 de junho deste ano – neste período a Operação Patmos, que pega o presidente, já estava em curso.

Na avaliação dos investigadores, os contatos reforçam suspeita de que Geddel estaria preocupado com uma possível delação premiada de Lucio Funaro. Por isso, procurou Raquel.

+ Indicação de Temer renderia R$ 50 mi a amigo Yunes, diz Joesley

+ País vive ‘anomia jurídica’, diz defesa de Temer

 

Funaro está preso na Papuda, em Brasília, desde 1 de julho de 2016, quando foi alvo da Operação Sépsis. Por meio de seu advogado, Bruno Espiñeira, o aliado de Eduardo Cunha fez chegar à PF ‘impressos de ligações’ recebidas por Raquel via WhatsApp. As ligações foram feitas por um certo ‘Carainho’, que, segundo os investigadores, é Geddel.

Os telefonemas são datados de 17, 18, 20, 23, 24, 29 e 31 de maio e também em 1 de junho deste ano. No dia 18 de maio, a Polícia Federal deflagrou a Operação Patmos, a partir da delação da JBS, por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

+ Rocha Loures disse que ia pegar ‘mala de um amigo’ na pizzaria, conta taxista

+ Juiz frustra pedido da JBS e não autoriza venda de US$ 300 mi em ações

A investigação tem duas frentes. Uma pega o presidente Michel Temer e seu ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), o homem da mala. A outra mira o senador Aécio Neves (PSDB-MG), sua irmã Andrea Neves e seu primo Frederico Pacheco, o Fred, além de Mendherson Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG).

Naquele dia, a PF prendeu Roberta Funaro, irmã de Lucio. Ela foi filmada, em ação controlada da Polícia Federal, pegando propinas da JBS para o aliado de Eduardo Cunha.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO GAMIL FÖPPEL, QUE DEFENDE GEDDEL

NOTA À IMPRENSA

A defesa técnica do Senhor Geddel Vieira Lima rechaça a prática de qualquer ilicitude por parte do seu constituinte. É importante ser ressaltado que, desde que se viu injustamente enredado em procedimentos de apuração instaurados em seu desfavor, o Senhor Geddel Vieira Lima colocou-se à disposição de todas as autoridades constituídas, comparecendo espontaneamente para prestar declarações, inclusive com deslocamentos para capital federal, disponibilizando os seus sigilos bancário e fiscal, não criando qualquer óbice para o prosseguimento das investigações.

Vale salientar que, conforme asseverado até mesmo por delatores premiados, desde que se afastou do cargo de Ministro de Estado, o Senhor Geddel Vieira Lima passou a reservar-se na sua intimidade, distanciando-se de qualquer contato com membros do Governo Federal e, principalmente, com pessoas investigadas.

Inclusive, tratou-se de manchete de diversos veículos de informação, o alegado “sumiço” do Senhor Geddel Vieira Lima que, sempre confiando na serenidade da justiça e probidade de sua conduta, espera que seja prontamente restaurada a realidade histórica dos fatos.

Salvador/BA, 21 de junho de 2017.
Gamil Föppel
OAB-Ba 17.828