‘Fui laranja, né?’, diz motorista de gráfica da chapa Dilma/Temer

‘Fui laranja, né?’, diz motorista de gráfica da chapa Dilma/Temer

Jonathan Bastos depôs pela segunda vez na Ação de Investigação Judicial Eleitoral aberta pelo TSE para apurar denúncia de irregularidades na campanha em 2014

Valmar Hupsel Filho

20 de fevereiro de 2017 | 16h19

Temer e Dilma em novembro de 2015. FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Temer e Dilma em novembro de 2015. FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Em seu segundo depoimento na Ação de Investigação Judicial Eleitoral que o Tribunal Superior Eleitoral apura se a chapa Dilma/Temer cometeu abuso de poder econômico para se reeleger, Jonathan Gomes Bastos, o motorista da Focal – gráfica que prestou serviço à campanha -, reiterou que teve seu nome usado como ‘laranja’ por três empresas.

“Usaram meu nome em três empresas citadas na Lava Jato, a Focal Point, CRLS e Notícia Comunicação. Fui laranja, né?”, disse ele ao sair do prédio do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, onde prestou depoimento por videoconferência.

Jonathan Bastos disse que emprestou seus documentos para Carlos Cortegoso, apontado como proprietário da Focal, mas não sabia para qual finalidade eles iriam ser usados. Segundo ele, outras pessoas foram usadas como ‘laranja’ na Focal.

Em cerca de uma hora e meia de depoimento, o motorista disse que respondeu as mesmas perguntas que lhe foram feitas em 8 de fevereiro, quando depôs pela primeira vez.

Segundo ele, o ministro Herman Benjamim, relator do processo no Tribunal Superior Eleitoral, quis saber se a Focal, que recebeu R$24 milhões da campanha, efetivamente prestou serviços. “Fizeram as mesmas perguntas. Se tinha trabalho, se (a empresa) produziu, se não produziu”, disse.

O TSE colhe nesta segunda-feira, 20, um total de quatro depoimentos para o processo. Além de Jonathan Bastos, depuseram os irmãos Rodrigo e Rogério Zanardo, sócios-proprietários da Rede Seg.

Eles não falaram com a imprensa.

O último a depor é Carlos Cortegoso, apontado como proprietário do grupo Focal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.