Frente Nacional de Prefeitos considera graves as acusações de Moro e cobra investigação

Frente Nacional de Prefeitos considera graves as acusações de Moro e cobra investigação

Presidente da entidade, o prefeito Jonas Donizette, afirmou em nota que fatos narrados por ex-ministro da Justiça e Segurança Pública precisam ser apurados

Ricardo Brandt e Fausto Macedo

25 de abril de 2020 | 14h00

Presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizette. Crédito: Carlos Bassan/Prefeitura de Campinas

A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) considerou graves as revelações feitas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, nesta sexta-feira, 24, de tentativas de interferência do presidente, Jair Bolsonaro, sobre investigações da Polícia Federal e cobrou investigação sobre os fatos.

Ao anunciar o pedido de demissão, o ex-ministro e ex-juiz da Lava Jato afirmou que a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, do comando da Polícia Federal foi feita por Bolsonaro, sem seu conhecido e com falso registro de exoneração a pedido e acusou o presidente de tentar interferir na PF para acessar informações sigilosas.

Em nota, a FNP cobrou apurações. “Alertamos para a gravidade das declarações sobre as possíveis interferências políticas em investigações e inquéritos em andamento. Sobre isso, pedimos que sejam tomadas as devidas medidas de apuração e investigação. O país precisa saber do que se tratam essas denúncia.”

O procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, pediu abertura de investigação sobre o caso, nesta sexta-feira, 24.

O prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette, destacou que Moro sempre foi aberto às demandas da Frente Nacional de Prefeitos, que representa 406 governos municipais, entre eles, todas as capitais. “Reconhecemos o trabalho desenvolvido por Sérgio Moro, no comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública que sempre acolheu as demandas da Frente Nacional de Prefeitos (FNP).”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.