Força-tarefa aponta rombo de R$ 2 mi no lixo hospitalar do Acre

Força-tarefa aponta rombo de R$ 2 mi no lixo hospitalar do Acre

Operação Monturo, da Controladoria-Geral da União em parceria com a Polícia Federal e a Procuradoria, deflagrada nesta quinta, 5, faz buscas em seis endereços nos municípios de Rio Branco e de Vilhena (RO) e mira contratos firmados no período de 2017 e 2018

Redação

05 de março de 2020 | 12h02

Força-tarefa que mobiliza a Controladoria-Geral da União (CGU), a Polícia Federal e a Procuradoria deflagrou nesta quinta, 5, a Operação Monturo para combater fraudes na área da saúde no Estado do Acre. A pedido da PF e do Ministério Público Federal, a CGU fiscalizou contratos firmados em 2017 e 2018, que tinham por objeto a coleta, transporte e tratamento do lixo hospitalar de vários municípios acreanos.

A Secretaria de Saúde do Acre. Foto: Sesacre / Divulgação

Entre as irregularidades identificadas está a simulação de uma situação emergencial para contratar os serviços por meio de dispensa de licitação. Enquanto isso, o andamento do procedimento licitatório se prolongou por mais de dois anos em razão de ‘atrasos injustificados’, afirma a Controladoria.

Além de verificar que os valores praticados nos contratos são incompatíveis com os preços de mercado, a força-tarefa constatou que a empresa investigada apresentava documentos de medição com uma quantidade de lixo coletada bem maior do que a média de resíduos produzidos pelas unidades de saúde.

“A fraude era potencializada pela fragilidade dos procedimentos de fiscalização e acompanhamento contratual realizados pela Secretaria Estadual de Saúde (SesAcre)”, informou a Controladoria.

Os auditores da CGU detectaram, até esta fase da investigação, prejuízo de R$ 1.942.703,89, ocasionado por situações de sobrepreço e superfaturamento.

Impacto social. A Controladoria destacou que ‘a prestação deficiente dos serviços de coleta de lixo hospitalar causa danos à saúde pública, com riscos de contaminação dos pacientes e servidores’.

Além disso, alerta a CGU, ‘o mau uso dos recursos públicos e a ocorrência de fraudes causam impacto negativo no atingimento dos objetivos das políticas públicas de governo’.

Diligências. A Operação Monturo consiste no cumprimento de seis mandados de busca e apreensão, além das intimações dos envolvidos, nos municípios de Rio Branco (AC) e Vilhena (RO). Foram mobilizados três auditores da CGU e 26 policiais federais.

A Controladoria informou, ainda, que, por meio da Ouvidoria-Geral da União (OGU), mantém o canal Fala.BR para o recebimento de denúncias. Quem tiver informações sobre a Operação Monturo ou sobre quaisquer outras irregularidades, pode enviá-las por meio de formulário eletrônico. A denúncia pode ser anônima, bastando escolher a opção ‘Não identificado’, ressaltou a Assessoria de Comunicação Social da CGU.

COM A PALAVRA, A SAÚDE DO ACRE

A reportagem busca contato com a Secretaria de Saúde do Acre. O espaço está aberto para manifestação.

Tudo o que sabemos sobre:

Acre Estado

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.