‘Foi um ato canalha’, ataca Maluf sobre grampos de Sérgio Machado

‘Foi um ato canalha’, ataca Maluf sobre grampos de Sérgio Machado

Para deputado do PP e ex-prefeito de São Paulo (1993/1996) o ex-presidente da Transpetro que gravou conversas com Renan Calheiros, Romero Jucá e José Sarney 'não tem autoridade moral para acusar ninguém'

Guilherme Mazieiro, especial para o Estado

11 de junho de 2016 | 06h00

Maluf. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Maluf. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O deputado Paulo Maluf (PP/SP), 84, classificou de ‘ato canalha’ as gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que comprometem cardeais do PMDB – o ex-presidente do Congresso Renan Calheiros, o ex-nministro do Planejamento Romero Jucá do governo interino Michel Temer e o ex-presidente José Sarney (1985/1990).

As declarações do parlamentar em seu quarto mandato foram feitas durante visita à redação do Estadão nesta quinta-feira, 9, para atividade com alunos do 6.º Curso Estado de Jornalismo Econômico. O ex-prefeito e ex-governador de São Paulo (1979/1982) afirmou que quem faz ‘auto confissão (Machado) não tem autoridade moral para acusar ninguém’.

O deputado federal considera ‘um exagero’ o pedido de prisão contra Renan, Eduardo Cunha, Jucá e Sarney apresentados ao Supremo Tribunal Federal pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot.

[veja_tambem]

Sérgio Machado gravou secretamente conversas em que Renan, Jucá e Sarney aparecem supostamente tramando contra a Operação Lava Jato. Após a divulgação dos áudios, o procurador-geral da República requereu ao Supremo a prisão dos três pemedebistas e ainda do presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB). O pedido de Janot está sob análise do ministro do Supremo, Teori Zavascki.

Maluf, que não aparece em nenhuma gravação, se gaba de estar há 49 anos na vida pública, estar casado há 60 anos com a mesma mulher e não ter ‘nenhuma condenação’. Ele garante que ‘não tem medo de ser pego em escutas, pois sua vida é um livro aberto’.

O nome de Maluf está na lista vermelha da Interpol, a Polícia Internacional, que relaciona os criminosos mais procurados todo mundo pela organização. Segundo as investigações ele teria enviado dinheiro de corrupção a contas no exterior durante seu mandato à frente da prefeitura de São Paulo. Com isso, Maluf não pode deixar o Brasil sob risco de ser capturado a qualquer momento em algum aeroporto do mundo.

Veja a seguir os principais trechos da entrevista de Maluf ao Blog.

Estadão: Como o sr. vê o pedido de prisão deRenan, Cunha e Jucá e uso de tornozeleira eletrônica para o ex-presidente Sarney feito pelo procurado-geral da República Rodrigo Janot? Foi um exagero?

Paulo Salim Maluf: Eu não conheço o processo nas suas particularidades. Mas eu acredito que foi um exagero pedir a prisão de um presidente do Senado, que hoje é o segundo na fila para ser presidente da República, pedir a prisão de um ex-presidente da República, que é o José Sarney, e pedir a prisão de Romero Jucá, que foi até agora ministro (Planejamento) e presidente (nacional) do PMDB. Nesses três eu, honestamente, não acredito que o processo tivesse provas suficientes para pedir a prisão. O único processo que tem provas contundentes é o do (presidente da Câmara afastado) Eduardo Cunha (PMDB), que ele (Janot) não deveria ter misturado no meio (do pedido de prisão de Renan, Jucá e Sarney). (Contra) o Eduardo Cunha tem provas que vieram da Suíça. E tem um processo correndo na Comissão de Ética da Câmara e tem um processo na Comissão de Justiça. Aí, você teria, acredito, uma justificativa real. Eu acho que (o pedido de prisão) foi um exagero, tendo em vista claro o seguinte: você não pode começar o processo pela prisão. A prisão é o último capítulo do processo, depois da condenação.

Estadão: O que o sr. achou das gravações do ex-presidente da Transpetro?

Maluf: Eu acho que foi um ato impensado. Foi um ato, que eu diria com toda a minha polêmica sinceridade, que um homem de bem não faria. Foi um ato canalha porque se aqueles crimes tivessem existido, ele estaria no meio. Então, ele fez uma auto confissão. Ora, quem faz uma auto confissão não tem autoridade moral para acusar ninguém. E depois, também eu acho, que tendo visitado o ex-presidente Sarney, 7h30 da manhã, numa cama, no hospital, doente e tirar dele em uma conversa ilações como se isso fosse uma prova de mudança do sistema jurídico penal, isso é uma mentira. Para mudar qualquer coisa não dependia de Sarney, que nem senador é. Dependia da Câmara, em duas votações e do Senado em duas votações. Até nisso ele (Machado) ludibriou o Ministério Público.

Estadão: Qual é o seu relacionamento com o Sérgio Machado?

Maluf: Eu não tinha intimidade com ele. Ele fazia política no Ceará e eu fazia política em São Paulo.

Estadão: O sr. tem tomado cuidado para receber políticos e fazer reuniões?

Maluf: Não, não. Não tenho medo de ser grampeado porque a minha vida é um livro aberto. Eu falo no telefone. Falo com todo mundo. Se alguém quiser publicar tudo que eu fiz, tem que publicar mais cinco livros (se referindo ao livro ‘Ele: Maluf, trajetória da Audácia – de Tão Gomes Pinto) (risos).

Estadão: É um erro o PP (Partido Progressita) participar do governo considerando o envolvimento da sigla e do governo Temer (PMDB) na Lava Jato ?

Maluf: Sou católico apostólico romano praticante. Estudei no colégio São Luis, aluno de jesuítas. Coroinha em latim. Agora, nem por isso eu aprovo um padre pedófilo. Eu recrimino. No meu partido tem gente boa. Teve Delfim Netto, Roberto Campos (ambos ex-ministros da Fazenda), o atual vice-governador do Rio, Francisco Dornelles. Ainda morreu recentemente Jarbas Passarinho (ex-governador e ex-ministro da Fazenda). Agora, eu não ponho a mão no fogo por todos, não. Se foi convidado deve participar para dar sua contribuição para o país.

Estadão: Há 134 deputados e senadores sob investigação da Lava Jato, o que representa quase 25% do Congresso. Como o sr. vê essa porcentagem?

Maluf: Acho uma porcentagem normal. Tem que ser investigado. Quem está na vida pública não tem vida privada, tem vida pública. Tem de ser investigado e mesmo sendo do meu partido. Se for condenado tem que cumprir a condenação e até ser preso.

Estadão: Por que o sr. não foi relacionado na Lava Jato ainda?

Maluf: Eu não estou porque… O (deputado) Jair Bolsonaro (PP-RJ) (em entrevista) com a (jornalista) Mariana Godoy (ano passado) disse que na Lava Jato só não estão dois do partido: ‘eu e o Paulo Maluf’. Eu não estou porque eu não estive. Todas as agressões contra mim foram falsas. Foram políticas (risos). Não tem nada de prova de coisa nenhuma.

Estadão: O sr. comentou que foi seu maior erro pessoal ter entrado na política

Maluf: Eu quero dizer que se eu tivesse que voltar atrás, faria tudo de novo o que eu fiz. Porque se eu não tivesse feito, você não andava nessa cidade (São Paulo). Mas sob o aspecto pessoal, econômico e financeiro, eu fiz um erro. Porque eu tenho competência para ganhar dinheiro. Não preciso ir para política. Se eu tivesse na minha empresa, seria muito maior hoje.

Estadão: Qual o futuro da presidente Dilma e de Eduardo Cunha, ambos afastados de seus cargos?

Maluf: Bom, a presidenta Dilma. Se realmente ela for cassada, ela tem dez anos em que ela não poderá ser candidata. Como ela tá com quase 70, eu acho que aí ela só terá sua aposentadoria. O Eduardo Cunha também tem sua aposentadoria e mais nada.

Estadão: Eduardo Cunha não volta?

Maluf: Não. Não acredito.

Estadão: Mas eles deveriam voltar?

Maluf: Eles foram eleitos e não posso recriminar o eleitor e nem posso dizer que nós temos que mudar a população do Brasil. A população é boa, o eleitor é bom e o exercício da democracia faz com que seja pedagógico. O pessoal, no futuro, vai ter que votar melhor para não ter que cassar ninguém.

Estadão: O sr. viajava muito a Veneza, nas férias, e deixou de ir (ele está na lista vermelha da Organização Internacional de Polícia Criminal/Interpol, a qual relaciona os mais procurados de todo mundo). Tem algum motivo para não ter ido mais?

Maluf: Você sabe qual é o motivo (risos).

Tudo o que sabemos sobre:

Entrevistaoperação Lava JatoPaulo Maluf

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.