Fiscal ‘enxugou’ dívida do homem da JBS de R$ 1 mi para R$ 200 mil

Fiscal ‘enxugou’ dívida do homem da JBS de R$ 1 mi para R$ 200 mil

Relatório da Polícia Federal aponta favores de Daniel Gonçalves Filho, suposto 'líder da organização criminosa', para veterinário Flávio Cassou em operação no Banco do Brasil

Julia Affonso, Ricardo Brandt e Luiz Vassallo

01 de abril de 2017 | 06h00

flavio1
Relatório da Polícia Federal aponta que o fiscal Daniel Gonçalves Filho, superintendente regional do Ministério da Agricultura no Paraná, em dois períodos entre 2007 e 2016 conseguiu reduzir uma dívida do veterinário Flávio Ever Cassou, apontado pela Operação Carne Fraca como ‘executivo da JBS’.

Documento

Gonçalves Filho e Cassou foram alvos de mandado de prisão preventiva da Carne Fraca.

De acordo com os investigadores, Daniel Gonçalves Filho era ‘o líder da organização criminosa que contamina a Superintendência Federal de Agricultura do Paraná, comandando e reverenciando a atuação corrupta dos também ficais e/ou subordinados’.

“Sua influência, conquistada nesses anos à frente da Superintendência Federal da Agricultura no Paraná é notória. Daniel Gonçalves Filho mantém contato com parlamentares e seus assessores e também com diversos empresários. Situação específica demonstra este poder quando conseguiu a diminuição de uma dívida de Flávio Evers Cassou de R$ 1 milhão para R$ 200 mil, por sua influência junto ao gerente do Banco do Brasil”, destaca o delegado Mauricio Moscardi Grillo, que subscreve relatório da PF.

Carne Fraca mira corrupção na Superintendência Federal de Agricultura no Estado do Paraná (SFA/PR) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. No rol de empresas investigadas pela Polícia Federal estão a JBS, dona da Seara e da Big Frango, a BRF, controladora da Sadia e da Perdigão, e os frigoríficos Larissa, Peccin e Souza Ramos.

Antes de ser preso, Flávio Cassou foi seguido, filmado, fotografado e grampeado pela PF. A relação muito próxima do funcionário da JBS com a chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal, no Paraná, Maria do Rocio Nascimento, é destaque da investigação. A PF chegou a filmar Cassou entrando na casa de Maria Rocio ‘com uma maleta, depois saindo e voltando com um isopor’.

“Já há vários indícios de que Flávio Evers Cassou, atualmente funcionário da empresa Seara Alimentos LTDA., situada no município de Lapa/PR, seja membro da organização criminosa liderada por Daniel Gonçalves e Maria do Rocio”, destaca a PF.

“Os indícios apontam que Flávio entrega dinheiro e mercadorias à Maria do Rocio visando a proteger a empresa que trabalha, havendo prova concreta de que Flavio depositou valores nas contas de Maria do Rocio, de suas irmãs e empresa.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ALESSANDRO SILVERIO, QUE DEFENDE FLÁVIO CASSOU

A defesa tratará das imputações nos autos do processo.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação Carne FracaJBS

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: