‘Fiquei chocado, senti náusea’, diz Janot sobre conversa de Joesley com Temer

‘Fiquei chocado, senti náusea’, diz Janot sobre conversa de Joesley com Temer

Procurador-geral da República, em entrevista ao jornalista Roberto D'Avila, da Globo News, revela bastidores da investigação que pega o presidente

Da Redação

06 Julho 2017 | 13h28

FOTO ALEX SILVA/ESTADAO

“Fiquei chocado, senti náusea”, disse o procurador-geral da República Rodrigo Janot, ao ser indagado sobre ‘o que sentiu’ quando ouviu a gravação da conversa do emnpresário Joesley Batista, da JBS, com o presidente Michel Temer. “Foi a minha reação física isso, um choque, e fiquei assim, enjoado mesmo.”

A conversa de Joesley e Temer ocorreu na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu, fora da agenda presidencial. Passava das 22 horas quando o acionista da JBS chegou à residência oficial do presidente.

Janot define como ‘nada republicana’ o diálogo que Joesley gravou e que serve de argumento para a acusação formal levada ao Supremo Tribunal Federal contra Temer por corrupção passiva.

A defesa do presidente fustiga a gravação, atribui a ela ilegalidade.

Em entrevista ao jornalista Roberto D’Avila, da Globo News, Janot disse que as negociações para firmar o acordo de delação de Joesley ‘não foram combinadas’.

Segundo o procuradror, Joesley procurou o Ministério Público Federal ‘uns 30 dias depois’ já com a gravação da conversa com Temer.

“A gravação não foi combinada. Toda colaboração tem que ser espontânea, tem que ser voluntária. Se o Ministério Público provoca qualquer ato de colaboração ele está anulando toda a colaboração. Essas gravações foram feitas uns 30 dias antes de a gente começar a entabular as negociações com essas pessoas (Joesley e outros executivos da JBS). Essa gravação foi feita espontaneamente pela vontade daquele que se tornaria colaborador. O Supremo tem uma vastíssima jurisprudência entendendo que o interlocutor pode gravar a sua conversa e que essa gravação pode servir de proba.”

“O delator não combinou nada com o Ministério Público?”
“Zero, não combinou absolutamente nada. Ele fez essa gravação para nos convencer de, no futuro, aceitar a colaboração dele”, afirma Janot.