‘Filma aí, moça, tem 20 minutos que ele tá me agredindo ‘, pede motoboy que apanhou por exigir recibo de R$ 6; assista

‘Filma aí, moça, tem 20 minutos que ele tá me agredindo ‘, pede motoboy que apanhou por exigir recibo de R$ 6; assista

Hery Silva, de 32 anos, foi agredido no sábado, 5, na região centro-sul de Manaus porque insistiu em receber comprovante de pagamento por encomenda que levou até acusado, que está em liberdade

Jayanne Rodrigues

07 de fevereiro de 2022 | 16h45

O acusado imobilizou o entregador no chão e só parou a agressão quando pegou a encomenda da mochila do motoboy. FOTO: DIVULGAÇÃO/ INTERNET

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o entregador de delivery Hery Silva, 32, é agredido por um homem após se recusar a entregar encomenda que não tinha comprovante de pagamento completo. O caso aconteceu no último sábado, 5, em Manaus, em frente à unidade hospitalar Instituto da Mulher Dona Lindú, zona Centro-sul da capital. “A gente passa por isso todos os dias e ninguém se compadece. Nós somos marginalizados nas ruas”, diz Hery Silva em entrevista ao Estadão. Até hoje, ele não conseguiu retomar o trabalho por medo de retaliação.

Nas imagens, o acusado Alexandre Campos, 33, arremessa violentamente o trabalhador no chão. Imobilizado, a vítima suplica para uma testemunha que registra a cena de violência com câmera do celular “filma aí, moça, tá com 20 minutos que ele tá me agredindo”. A mulher continua gravando e pede para que o agressor liberte o entregador. “Ele tá fazendo o trabalho dele, não faz isso”. Ainda no chão, Hery começa a gritar para as pessoas que presenciam a agressão ligarem para a polícia imediatamente.

O acusado continua pressionando o joelho contra o corpo do homem, em seguida retira a mochila das costas do trabalhador e pega o pedido. Somente com a encomenda em mãos, o agressor solta o motoboy e caminha em direção ao hospital. Após o ocorrido, Hery foi embora e registrou boletim de ocorrência. “Eu ainda fiquei me sentindo um lixo como se eu tivesse feito algo errado.”

A entrega custou R$ 12, mas o acusado só repassou R$ 6 em dinheiro, a outra metade seria feita em PIX, mas o pagamento não foi concluído. Após aguardar mais de 30 minutos, Hery disse que voltaria com a encomenda. Foi nesse instante que o agressor começou o ataque. 

Nas imagens compartilhadas, ele está com uma mochila da 99 Food, só que no momento da agressão ele prestava serviço para o InDriver, aplicativo de entregas. Até o momento, segundo ele, a organização não prestou qualquer suporte. “Se a gente reclama, a plataforma bloqueia. Se sofre discriminação e denuncia uma loja, o aplicativo obriga a voltar lá e passar por essa situação novamente”, afirma.

Com a repercussão do caso, no mesmo dia da agressão, colegas da categoria foram até a porta do hospital para confrontar o acusado. O momento também foi divulgado na internet. No vídeo, mais de dez motoboys discutem com o homem. Um deles diz: “você é um safado, batendo em um trabalhador, pô”. O agressor se defende com o seguinte argumento: “sou filho de polícia civil”.

Hery trabalha há cinco anos como entregador de delivery, ele fica na rua por mais de 12 horas por dia. Antes ele conciliava a atividade com a empresa de turismo que comandava, mas precisou fechar após a chegada da pandemia. Mesmo sem expectativas por mudanças, ele espera que o caso sirva de exemplo. “Agora é brigar pelo que a gente está passando pra que isso não aconteça novamente. E que as pessoas eduquem-se para não cometer esse tipo de crime porque será punido”, reforça. 

COM A PALAVRA, INDRIVER

A reportagem entrou em contato com a empresa por e-mail, mas até a publicação deste texto não houve retorno. O espaço está aberto para manifestações (jayanne.rodrigues@estadao.com).

COM A PALAVRA, O ACUSADO ALEXANDRE CAMPOS

A equipe ainda não conseguiu contato com o acusado. O espaço está aberto para manifestação. 

COM A PALAVRA, A POLÍCIA CIVIL DE MANAUS

“De acordo com o Boletim de Ocorrência (BO) registrado no 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), no sábado (07/02), às 18h27, uma guarnição da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), apresentou na unidade policial, Alexandre Campos Pereira, 33, por vias de fato cometido contra Hery Wenderson Ribeiro Silva, 31 anos. O caso aconteceu no bairro Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

Na ocasião, Hery, que trabalha como entregador de aplicativo foi entregar uma encomenda de roupas de recém-nascido para Alexandre, momento em que este tentou realizar o pagamento via PIX, porém, sem sucesso, pois o sistema estava com problema. Alexandre, então, efetuou metade do pagamento no valor de R$ 6, em espécie, e a outra parte seria via PIX, também no mesmo valor, mas não conseguiu.

Ainda segundo o boletim de ocorrência, o entregador não quis esperar e não poderia entregar o produto sem o devido pagamento. Alexandre aproximou-se do entregador e o derrubou da moto. Uma viatura policial foi chamada. O agressor e a vítima foram conduzidos ao 1º Distrito Policial de Manaus.

Conforme o delegado Marcos Arruda, titular da unidade policial, após procedimentos cabíveis na delegacia, Alexandre assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e foi liberado.”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.