Fidelizar é valorizar os consumidores

Fidelizar é valorizar os consumidores

Lucas Palombo*

22 de março de 2021 | 03h00

Lucas Palombo. FOTO: DIVULGAÇÃO

A pandemia de Covid-19 transformou todos os tipos de relação, seja entre familiares, amigos e empregador-colaborador ou até mesmo a relação entre marca e consumidor. Neste Dia do Consumidor, comemorado em 15 de março, é importante refletirmos sobre o que passou a ser mais valorizado pelos clientes, principalmente porque a pandemia afetou o poder aquisitivo das pessoas, a sua frequência de locomoção, seja para o trabalho ou lazer, por conta da necessidade de isolamento social, e as preferências de compras.

Na contramão de quase todas as indústrias e segmentos, o ano de 2020 registrou bons números para a rede varejista alimentar, pois com a quarentena os gastos da população foram redirecionados para o consumo, principalmente, de alimentos e bebidas, deixando de lado a aquisição de roupas e sapatos ou idas a eventos culturais. De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o comércio varejista, principalmente os setores de supermercados, alimentos, bebidas e fumo tiveram alta de 4,8% no último ano.

Quando falamos nesta performance dos mercados, sejam mini, super ou hiper ou mesmo Cash and Carry alimentares, existem fatores que podem ajudar a manter a alta nas vendas e os clientes conquistados ao longo deste ano de 2021. Acreditamos que seja o caso das campanhas de fidelização. A estratégia tem como objetivo agregar valor à marca e aos produtos revendidos, por meio do encantamento do cliente, transformando sua escolha em um ato emocional, além de criar um relacionamento, tentando evitar a infidelidade do consumidor que estaria em busca apenas de preços mais competitivos. Inclusive, cabe lembrarmos que a inflação dos alimentos tem aumentado significativamente. Em São Paulo, o crescimento dos preços em supermercados de 15% em 2020, segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas).

Neste cenário, como o varejista poderia encantar seu consumidor, aumentar seu faturamento e ampliar sua clientela em um segmento com tanta concorrência mesmo em um cenário inflacionário alto? Conhecida popularmente como a “campanha do selinho”, a iniciativa é um exemplo da importância de fidelizar o cliente, oferecendo algo em troca por ter escolhido determinada loja ou rede de supermercado. A eficácia da inciativa é expressiva. Em média, as campanhas de loyalty que realizamos impulsionam em mais de 20% a frequência nas lojas e o resultado de vendas aumenta em cerca de 10%.

Já, para negócios de outros setores que também dependem da frequência dos consumidores e que foram impactados pela pandemia é preciso conquistar e reter novos clientes quando a rotina voltar “ao normal”. Para estes, as campanhas de fidelização também são uma alternativa de grande potencial e mais acessível do que simplesmente promover promoções pontuais.

O consumidor é a peça fundamental para estimular a economia e engatar a retomada efetiva. Se não há consumo, a roda não gira. Pense diferente. Permita-se ver seus clientes como merecedores de algo além de sorteios anuais ou descontos em datas comemorativas. É apenas valorizando e respeitando o seu consumidor que conseguirá ter uma clientela fiel.

*Lucas Palombo é CEO da BrandLoyalty

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.