Cardeais do PMDB tramaram ‘Pacto Caxias’ por anistia a réus da Lava Jato, diz delator

Cardeais do PMDB tramaram ‘Pacto Caxias’ por anistia a réus da Lava Jato, diz delator

Ex-presidente da Transpetro afirma que acordão previa 'medidas legislativas que representassem, concretamente, clemência' a investigados'; Sérgio Machado revela ter ouvido sobre 'tratativas com o PSDB' e outras siglas

Mateus Coutinho, Julia Affonso e Fausto Macedo

16 de junho de 2016 | 11h58

montagemrenanromerosarney

Com bom trânsito na cúpula do mundo político e empresarial, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado disse aos investigadores da Lava Jato não haver dúvidas para ele de que havia uma iniciativa de muitos políticos para prejudicar a operação. “Após essas conversas ficou claro para o depoente que havia muitos políticos de diversos partidos procurando construir um amplo acordo que limitasse a ação da Operação Lava Jato”, disse Machado ao explicar os diálogos que gravou com caciques do PMDB em março – antes de o processo de impeachment de Dilma ser aberto pelo Congresso – em que trataram, dentre outros assuntos, de estratégias para barrar a operação.

Segundo Machado, o próprio senador Romero Jucá – que foi derrubado do Ministério do Planejamento após vir à tona os diálogos em que fala em “estancar” a Lava Jato – teria lhe confidenciado “sobre tratativas com o PSDB nesse sentido facilitadas pelo receio de todos os políticos com as implicações da Operação Lava Jato”.  O PSDB hoje está na base de apoio do governo interino de Michel Temer e possui três ministérios, incluindo o da Justiça, responsável, dentre outros, pela Polícia Federal.

[veja_tambem]

A preocupação, contudo, ia além dos tucanos. “Essas tratativas não se limitavam ao PSDB, pois quase todos os políticos estavam tratando disso, como ficou claro para o depoente; que o Romero Jucá sinalizou que a solução política poderia ser ou no sentido de estancar a Operação Lava Jato, impedindo que ela avançasse sobre outros políticos, ou na forma de uma constituinte”, relatou o delator.

Além de Jucá, o presidente do Senado Renan Calheiros também teria falado sobre as estratégias para tentar barrar a operação. De acordo com Machado, no diálogo em que falam sobre “pacto de Caxias”, ele e o presidente do Senado estavam se refedindo sobre alternativas legislativas que possibilitassem alguma “anistia ou clemência” aos políticos investigados. Ele ainda relata que Renan deixou claro que seria a “esperança única” do PSDB para tomar as medidas que podem impedir os avanços da operação.

“Quando Renan Calheiros diz (na conversa gravada) que ‘eu sou a esperança única que eles têm de alguém para fazer alguma coisa’, ‘eles’ refere-se especificamente ao PSDB, embora o temor dos políticos da Operação Lava Jato seja generaIizado; que ‘fazer alguma coisa’ refere-se a um pacto de medidas legislativas para paralisar a Operação Lava Jato, que incluía proibir colaboração premiada de réu preso, proibir a execução provisória de sentença penal condenatória e modificar a legislação dos acordos de leniência”, relatou.

Para o procurador-geral da República Rodrigo Janot, o teor das conversas gravadas de Machado com o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) o ex-presidente José Sarney e o próprio Jucá, além das revelações da delação do ex-presidente da Transpetro deixam claro a existência de um “acordão”, que “segue sendo costurado”, por meio das nomeações de Jucá (que deixou o Planejamento após a polêmica dos áudios), Sarney Filho (Ministério do Meio Ambiente) e políticos tucanos para os ministérios de Temer.

“O intento dos requeridos (Renan, Jucá e Sarney), nessas diversas conversas gravadas, é construir uma ampla base de apoio político para conseguir, pelo menos, aprovar três medidas de alteração do ordenamento jurídico em favor da organização criminosa”, afirma Janot no pedido de prisão preventiva contra Jucá e Renan e de prisão domiciliar  com tornozeleira eletrônica para José Sarney encaminhado ao Supremo em maio.

Para Machado, todo o contexto das conversas gravadas também deixou claro que havia uma preocupação geral dos políticos em tentar impedir a maior operação de combate à corrupção no País.

Machado já foi líder do PSDB no Senado durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e se filiou ao PMDB em 2001, partido que o garantiu o cargo de presidente da Transpetro por 11 anos durante os governos petistas, entre 2003 e 2014. Ele entrou na mira da Lava Jato e sua residência chegou a ser alvo de buscas na Operação Catilinárias, deflagrada com autorização do Supremo para investigar os políticos envolvidos no esquema de corrupção da Petrobrás.

A partir dessa busca, Machado relata que começou a se preocupar com os avanços da operação e decidiu que iria colaborar com as investigações. Uma das ideias que teve foi exatamente gravar conversas com seus colegas da cúpula peemedebista nas quais buscava alternativas para tentar escapar do juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em primeira instância.

Todos os políticos flagrados nos diálogos e também citados na delação do ex-presidente da Transpetro negam seus envolvimentos em irregularidades e rechaçam as acusações de Sérgio Machado

COM A PALAVRA, AS DEFESAS:

DEM

“O Democratas sempre defendeu e continuará a defender todas as investigações conduzidas pela Operação Lava Jato. O partido repudia veementemente quaisquer declarações que o relacionem a tentativas de barrar as investigações.”
Nota PSDB

“O PSDB sempre apoiou e continuará a apoiar as investigações da Lava Jato, pois somente elas poderão demonstrar quando um delator diz a verdade ou quando mente de forma deliberada para ampliar os benefícios da delação premiada. Foi o que ocorreu, no que diz respeito ao PSDB, na delação do senhor Sérgio Machado, nas absurdas referências feitas ao partido citando supostos fatos de 18 anos atrás, mas que jamais ocorreram.”

PT

“O Partido dos Trabalhadores nunca participou de qualquer acordo desse tipo”.

PMDB

“O PMDB sempre arrecadou recursos seguindo os parâmetros legais em vigência no país. Doações de empresas eram permitidas e perfeitamente de acordo com as normas da Justiça Eleitoral nas eleições citadas. Em todos esses anos, após fiscalização e análise acurada do Tribunal Superior Eleitoral, todas as contas do PMDB foram aprovadas não sendo encontrados nenhum indício de irregularidade.”

LULA:

“Não vamos comentar uma declaração feita pelo réu confesso, em conversa armada e gravada pelo próprio réu para se livrar de condenação. O ex-Presidente Lula vale-se exclusivamente dos instrumentos legais para reagir a qualquer arbitrariedade ou ilegalidade, como se verifica, por exemplo, na representação protocolada hoje pelos seus advogados na Procuradoria Geral da República. Lula não praticou qualquer ato ilegal antes, durante ou depois do exercício da Presidência da República.”

O ADVOGADO KAKAY, QUE DEFENDE JUCÁ E SARNEY:

Sobre Jucá: Eu não dou nenhuma credibilidade a nada que fala o Sérgio Machado. Quero dizer em nome do Jucá, eu hoje lendo a delação dele, vi uma coisa completamente espantosa que ele fala do Jucá. Ele fala que ele entregou 21 milhões para o Jucá, 17 ele entregou em dinheiro… que ele é a pessoa que lidava sem intermediários com os donos das empresas e que também não tinha intermediário com o Jucá. Aí ele fala uma frase que é uma pérola, fala que ele agia através de codinomes, ele inventava nomes, para entregar. E, no entanto, ele fala que o político não sabia quem era o empresário que estava dando propina e que o empresário não sabia para qual político estava dando propina. Isso mostra o grau de completa insanidade e loucura desse cidadão, é claro que eu entendo a fragilidade dele, estava fazendo delação para salvar os filhos da cadeia, essa delação é a típica delação de quem está no desespero absoluto, que vai ser preso e sabe que os filhos vão ser presos…

Mas o mais grave é que ele inventou um tipo de propina que é inacreditável, o empresário que dá propina sem perguntar quem é o político. Então, para mim, isso demonstra absolutamente, de forma clara e sem ter possibilidade de contestação, que esse dinheiro era só para ele. O que aconteceu na verdade foi que ele pegava o dinheiro com os empresários, dizia o que quisesse dizer e esse dinheiro foi pego agora, está devolvendo 75 milhões. E é óbvio que ele fez muitas vezes mais isso lá fora. Agora, o mais interessante é que na loucura de que hoje em dia os delatores viraram heróis, só que você tem que ter uma conversa com começo, meio e fim. Eu estou lhe dizendo como advogado do Jucá, ele não disse uma pessoa que entregou dinheiro ao Jucá, até porque ninguém entregou; ele disse que era a única pessoa que lidava com o Jucá, que ele ia lá de 2 em 2 meses no gabinete do Jucá, e realmente ele ia, quando ele estava no Senado tratando das coisas dele, ele passava no Jucá, só que ele nunca levou dinheiro.

Aí ele criou uma hipótese que é completamente absurda que é o empresário pagar a propina sem perguntar quem é o político. Então, isso pra mim, nenhuma frase dele tem nenhuma credibilidade. Eu vou fazer os questionamentos no momento adequado, não só da validade da gravação, porque as gravações não tem validade, mas principalmente o teor da gravação é assustador. Ele criou uma hipótese nova de propina onde o empresário que paga propina não sabe quem é o político. Você pode ler lá, o empresário não sabia quem era o político e o político não sabia quem era o empresário, é claro que não sabia, o dinheiro era dele. Não tem nenhuma credibilidade, não comento nada das quase loucuras que este cidadão está dizendo.

Sobre Sarney
Eu falo por ele também. O Sarney, a linha é a mesma… o Sarney está completamente indignado…
Na verdade, na ânsia às vezes de acusar e de dar a palavra do delator foro de verdade, a gente esquece um pouco quem é a pessoa que está delatando. A gente está falando de um cara que gravou uma pessoa que ele chamava de pai, gravou para fazer a defesa dos filhos dele, porque seriam presos, e depois teve a ousadia de fazer ele a análise da gravação.

Para você ter ideia, ele chegava na casa do Sarney, do Renan e do Jucá e falava “vamos deixar os telefones aqui fora, porque telefone hoje é uma máquina para a polícia federal gravar a gente de longe. Você vê o caráter do cara, aí depois ele gravava… o que mais me impressiona é essa história que ele criou, uma viagem absoluta..

Não tem ninguém para dizer, o fulano entregou dinheiro, porque ninguém entregou…não tem ninguém para dizer ‘eu depositei na conta tal’, porque não tem conta; ele criou uma hipótese em que o empresário que paga propina não sabe quem é o político….

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: