Favreto, Gebran e Moro são intimados pelo CNJ após decisões em habeas de Lula

Favreto, Gebran e Moro são intimados pelo CNJ após decisões em habeas de Lula

Magistrados proferiram decisões conflitantes no domingo, 8, envolvendo pedido de liberdade em face do ex-presidente para suspender cumprimento de pena na Operação Lava Jato

Amanda Pupo/BRASÍLIA

19 de julho de 2018 | 14h47

FOTO: CNJ

BRASÍLIA – O ministro corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), João Otávio de Noronha, intimou os desembargadores Rogério Favreto e João Pedro Gebran Neto, ambos do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), e o juiz federal Sérgio Moro para prestar informações sobre o episódio no TRF-4, no último 8, envolvendo um pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado da Lava Jato.

Lula e o plantonista

O prazo para envio das informações é de 15 dias corridos, contados a partir de 1º de agosto, em virtude do recesso, que dura todo o mês de julho.

Em 2010, Favreto defendia Lula com Fachin de acusações de autoritarismo

No último dia 10, Noronha determinou a abertura de procedimento para apurar as condutas dos três magistrados.

Deputados do PT que pediram Lula solto chegaram à PF na mesma hora que saiu decisão de plantonista

O CNJ recebeu oito representações contra Favreto e duas contra Moro. Elas pedem a apuração sobre possível infração disciplinar dos magistrados no episódio que resultou na liminar favorável a Lula, concedida por Favreto, e posteriores manifestações de Moro e Gebran no processo, que resultaram na manutenção da prisão.