Família de Cerveró recebeu R$ 250 mil de Bumlai por interferência de Lula, diz Delcídio

Família de Cerveró recebeu R$ 250 mil de Bumlai por interferência de Lula, diz Delcídio

Em alegações finais ao Conselho de Ética, onde é alvo em processo de cassação, senador afirma que ex-presidente foi 'personagem decisivo'

Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

02 Maio 2016 | 05h00

Lula. Foto: Andre Penner/AP

Lula. Foto: Andre Penner/AP

A defesa do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) afirmou, em alegações finais, ao Conselho de Ética do Senado, onde é alvo de processo por cassação, que a família do ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró recebeu R$ 250 mil do pecuarista José Carlos Bumlai, ‘por interferência do ex-presidente Lula’. Segundo os advogados do senador, Lula ‘pediu expressamente’ a Delcídio que ajudasse Bumlai, amigo do petista.

Alegações finais são a parte derradeira do processo, em que há as últimas acusações, e as defesas apresentam suas argumentações e pedidos a serem considerados por quem julga.

Delcídio Amaral foi preso em 25 de novembro do ano passado por decisão do Supremo Tribunal Federal a pedido da Procuradoria-Geral da República. Em conversa gravada por Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró (Internacional), o senador foi flagrado discutindo um plano para obstruir a Lava Jato.

Segundo Delcídio, a família de Cerveró o chantageou. O documento aponta que ‘vários contatos foram feitos’, mas que o senador ‘não tinha como atender às “solicitações”, porque estava devendo muito em função da campanha eleitoral de 2014’.

[veja_tambem]

“É aí que entra em cena um personagem decisivo de toda a história: o ex-presidente Lula! Foi ele quem pediu expressamente a Delcídio Amaral para “ajudar” Bumlai porque, supostamente, ele estaria implicado nas delações de Fernando Soares e Nestor Cerveró”, relata a defesa.

“Delcídio, vendo a oportunidade de ajudar a família do Nestor, aceitou interceder. O total recebido pela família de Nestor foi de R$ 250 mil, financiados pela família Bumlai, por interferência do ex-presidente Lula.”

A defesa afirma que Delcídio ‘foi explorado para benefícios de terceiros: de um lado, de Lula para proteger a família do amigo Bumlai; de outro lado, de Bernardo Cerveró que o atraiu por truques cênicos para criar a “cama de gato” e conseguir o trunfo da sua colaboração do pai’.

Em fevereiro deste ano, o Supremo mandou soltar Delcídio, que foi denunciado criminalmente pela Procuradoria-Geral da República.

STF. Na semana passada, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou liminar por meio da qual o senador Delcídio pretendia suspender o processo de cassação do seu mandato em curso no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado. A decisão monocrática foi tomada no Mandado de Segurança 34155.

Delcídio argumenta que o Conselho de Ética não assegurou a ele o contraditório e a ampla defesa, garantias previstas no artigo 5º, inciso LV, da Constituição.

Segundo o parlamentar, o colegiado decidiu dispensar o depoimento de testemunhas convocadas sem provocação das partes com ‘o propósito de frustrar a produção de prova requerida pela defesa’.

O senador aponta ainda cerceamento de defesa em razão do indeferimento do pedido para que o Conselho solicitasse ao Supremo o repasse de todas provas constantes do Inquérito 4170, especialmente a mídia com a gravação autenticada do diálogo entre ele, Diogo Ferreira, Edson Ribeiro e Bernardo Cerveró.

De acordo com o ministro Celso de Mello, não houve indicação de rol de testemunhas, porque o partido que formulou a representação contra o parlamentar não o fez e, por sua vez, Delcídio deixou de fazê-lo no momento procedimentalmente adequado – quando ofereceu a sua defesa prévia.

COM A PALAVRA, O INSTITUTO LULA

O ex-presidente já esclareceu, em depoimento prestado à Procuradoria-Geral da República, que não praticou qualquer ato objetivando interferir na Operação Lava Jato.