‘Falsos Pés’ da Receita confisca 150 mil pares de tênis no Brás

‘Falsos Pés’ da Receita confisca 150 mil pares de tênis no Brás

Em ação conjunta com Secretaria Municipal de Segurança de São Paulo, fiscais apreendem R$ 8,5 milhões em calçados de origem estrangeira sem documentação de importação e indícios de adulteração

Luiz Vassallo e Julia Affonso

25 de abril de 2017 | 19h13

Foto: Polícia Federal

Foto: Polícia Federal

A Receita Federal apreendeu nesta terça-feira, 25, um lote de 150 mil pares de tênis avaliados em R$ 8,5 milhões, na região do Brás, em São Paulo. A operação, denominada Pseudópodes, atingiu oito lojas e depósitos. A mercadoria não tinha documentação que comprovasse a regularidade de importação, além de apresentarem indícios de adulteração.

O termo pseudópodes, que dá nome à operação, vem do grego e significa falsos pés. É usado na biologia e se refere a estruturas utilizadas para locomoção e alimentação de protozoários e leucócitos, informou a Assessoria de Comunicação da Receita em São Paulo.

A ofensiva da Receita ocorreu em parceria com a Secretaria Municipal de Segurança Urbana/Guarda Civil Metropolitana de São Paulo e se espalhou pela região do Brás, zona de comércio popular da capital paulista.

Foto: Polícia Federal

Foto: Polícia Federal

Também foram apreendidos três veículos contendo artigos de vestuário.

A ação contou com a participação de cinco auditores-fiscais e sete analistas-tributários da Receita. Os investigados podem responder por crime de contrabando, punido com pena de dois a cinco anos de reclusão.

O trabalho de remoção das mercadorias deve seguir nesta quarta-feira, 26.

A Guarda Civil Metropolitana vai preservar o local durante a noite.

As caixas de tênis serão encaminhadas a um depósito da Receita e, posteriormente, destruídos.

Segundo alerta da Receita, ‘calçados falsificados podem representar riscos à saúde da população uma vez que é frequente o emprego de matéria prima tóxica na sua confecção, bem como de acolchoamento inadequado, que pode causar lesões ortopédicas’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.