Fachin suspende decisão que liberou auxílio-moradia a juiz federal

Fachin suspende decisão que liberou auxílio-moradia a juiz federal

Ministro do Supremo verificou 'aparente violação' à decisão tomada na Ação Originária (AO) 1773, na qual foram barrados todos os processos sobre a matéria; magistrado, que reside em Aracaju, alegou que 'não há residência oficial disponível'

Redação

09 de dezembro de 2019 | 13h24

O ministro Edson Fachin, do Supremo, concedeu medida liminar na Reclamação (RCL) 38118 para suspender decisão da Justiça Federal de Sergipe que determinou o pagamento de ajuda de custo a um magistrado federal para cobrir despesas com moradia.

O juiz entrou com ação na Justiça Federal requerendo a concessão do benefício sob a alegação de que ‘não há residência oficial disponível em Aracaju’ – onde exerce suas funções.

Edson Fachin. Foto: Nelson Jr./SCO/STF

As informações foram divulgadas no site do Supremo.

A sentença julgou procedente o pedido e, em seguida, a Turma Recursal do Juizado Especial Federal de Sergipe, ao negar recurso, a manteve por seus próprios fundamentos.

Na reclamação ao Supremo, a União alega que o ato afronta a autoridade da decisão do STF na Ação Originária (AO) 1773.

Documento

Requisitos

O relator verificou requisitos para a concessão da medida cautelar.

Sobre o requisito da plausibilidade jurídica das alegações (fumus boni iuris), Fachin avaliou que ‘a decisão judicial questionada, aparentemente, afrontou a decisão tomada na AO 1773’.

Isso porque, em novembro de 2018, o relator da Ação Originária, ministro Luiz Fux, determinou a suspensão de todas as ações cujo objeto era o direito ao auxílio-moradia de magistrados.

Fachin também verificou a ocorrência do perigo na demora (periculum in mora) devido ao risco da produção dos efeitos da decisão da Justiça de Sergipe, caso o processo movido pelo juiz federal continue sua regular tramitação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: