Fachin manda para redistribuição caixa dois eleitoral de Jutahy

Fachin manda para redistribuição caixa dois eleitoral de Jutahy

Relator da Lava Jato no Supremo quer inquérito que cita parlamentar do PSDB repassado a outro ministro da Corte

Isadora Peron, de Brasília, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

26 de maio de 2017 | 13h02

O ministro Edson Fachin encaminhou nesta sexta-feira, 26, à presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, pedido de redistribuição do Inquérito 4397, que apura a suposta prática de caixa dois pelo deputado federal Jutahy Magalhães Júnior (PSDB-BA).

As informaçoes foram divulgadas no site do Supremo.

Jutahy foi citado nas delações premiadas de dois executivos da Odebrecht, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o ‘BJ’, e José de Carvalho Filho. Eles afirmaram que o parlamentar recebeu, a pretexto de doações de campanhas eleitorais, R$ 350 mil em 2010 e R$ 500 mil em 2014, por meio de caixa 2. Os pagamentos foram feitos pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht. No mesmo período, o grupo doou oficialmente R$ 610 mil.

Invocando precedente do Plenário – Inquérito 4130 -, Fachin afirmou no despacho que ‘a colaboração premiada, como meio de obtenção de prova, não constitui critério de determinação, de modificação ou de concentração de competência’.

O ministro, que é relator da Operação Lava-Jato no Supremo, enfatizou que ‘os fatos em apuração se referem tão somente ao suposto repasse, pelo Grupo Odebrecht, de valores a parlamentar em época de eleição’, o que, no seu entendimento, leva à livre distribuição dos autos, uma vez revelada a ausência de conexão com as demais investigações, especialmente àquelas ligadas a ilícitos no âmbito da Petrobrás.

COM A PALAVRA, JUTAHY MAGALHÃES JÚNIOR

O deputado Jutahy Magalhães Júnior (PSDB-BA) afirmou, nesta sexta-feira, 26, que é “um momento de alegria e alívio ser retirado de uma lista na qual jamais deveria ter entrado”. “Quanto à questão de doação eleitoral, demonstrarei no inquérito que fiz tudo de forma correta e espero ter esse processo arquivado”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.