Fachin manda para Moro autos da ‘mesada’ da Odebrecht a Frei Chico, irmão de Lula

Fachin manda para Moro autos da ‘mesada’ da Odebrecht a Frei Chico, irmão de Lula

Delatores da empreiteira revelaram à Procuradoria que repasses 'contavam com a ciência' do ex-presidente

Ricardo Galhardo, Fábio Serapião e Fábio Fabrini

12 de abril de 2017 | 00h24

Luiz Inacio Lula da Silva. Foto: Alex Silva/Estadão

Luiz Inacio Lula da Silva. Foto: Alex Silva/Estadão

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou ao juiz federal Sérgio Moro, no Paraná, informações sobre o suposto pagamento de ‘mesada’ por parte da Odebrecht a José Ferreira da Silva, o ‘Frei Chico’, irmão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a petição enviada por Fachin, os delatores Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais da empreiteira, e Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, que chefiou o chamado departamento de propinas da empreiteira, Frei Chico recebia uma espécie de mesada.

“Narram os executivos que os pagamentos eram efetuados em dinheiro e contavam com a ciência do ex-presidente, noticiando-se, ainda, que esse contexto pode ser enquadrado ‘na mesma relação espúria de troca de favores que se estabeleceu entre agentes públicos e empresários’”, diz a petição.

Segundo o documento, como Lula e Frei Chico não têm direito a foro especial e o ex-presidente já é investigado na Justiça Federal do Paraná, os documentos foram compartilhados.

Irmão mais velho de Lula e ex-militante do Partido Comunista, Frei Chico foi o responsável por despertar o interesse do ex-presidente pela política e iniciar o petista no mundo sindical. Ele não foi encontrado para responder às acusações.

O Instituto Lula informou, por meio da assessoria de imprensa, que “os advogados não conhecem os autos, reiteram que Lula nunca agiu na ilegalidade e que o ex-presidente vem sendo alvo de acusações frívolas e sem nenhuma materialidade”.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.