Fachin homologa delação de Pedro Corrêa

Fachin homologa delação de Pedro Corrêa

Ministro relator da Lava Jato no Supremo endossou acordo de colaboração premiada do ex-deputado do PP

Luiz Vassallo, Breno Pires e Rafael Moraes Moura

08 de agosto de 2017 | 15h58

Pedro Corrêa

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou o acordo de colaboração premiada do ex-deputado Pedro Corrêa (ex-PP). Segundo o Estado apurou, o ministro decidiu manter a delação sob sigilo por enquanto.

A homologação põe fim a um longo processo de negociação. A delação de Corrêa foi assinada com a Procuradoria-Geral da República (PGR) em março de 2016.

Em setembro, o então relator da Lava Jato, ministro Teori Zavascki, havia pedido novas diligências e cobrou uma redução na quantidade de assuntos tratados no acordo, em especial, os anexos com revelações genéricas, sem apontamento de fato específico, e o robustecimento de provas apresentadas.

Só depois, o termo deveria ser reapresentado para análise de homologação, agora realizada pelo relator Edson Fachin.

Entre os citados na delação do ex-parlamentar estão o ex-presidente Lula e o cartel de empreiteiras da Petrobrás.

COM A PALAVRA, LULA

As referências do ex-deputado Pedro Correa ao ex-Presidente Lula são mentirosas e devem ser compreendidas em um contexto em que os delatores estão sendo obrigados a falar algo sobre o ex-Presidente para poder deixar a prisão ou receber outros benefícios da Força Tarefa da Lava Jato.

Paulo Roberto Costa já prestou depoimento ao juiz Sérgio Moro em 23/11/2016 e afirmou, sob o compromisso de dizer a verdade: “nunca tive intimidade com o presidente da república, o presidente Lula”; “eu nunca tive nenhuma reunião só eu e o presidente Lula”; e, ainda, “eu não tinha intimidade com o presidente Lula”.

Pedro Correa também já prestou depoimento ao juiz Sérgio Moro na mesma data e reconheceu que foi chamado pelos Procuradores da Lava Jato para “refazer alguns anexos” para permitir que fosse formulada uma acusação sem provas contra Lula.
Cristiano Zanin Martins

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.