Fachin autoriza conserto de smartphone e de Ipad dos aliados de Cunha

Fachin autoriza conserto de smartphone e de Ipad dos aliados de Cunha

Ministro relator da Lava Jato no Supremo dá sinal verde a pedido da Polícia Federal para manutenção e perícia de aparelhos eletrônicos apreendidos com o ex-ministro Henrique Eduardo Alves e o ex-prefeito de Nova Iguaçu Nelson Bornier na Operação Catilinárias, em dezembro de 2015

Luiz Vassallo

15 Agosto 2017 | 05h00

Henrique Eduardo Alves REUTERS/Ueslei Marcelino

O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, autorizou nesta segunda-feira, 14, reparos e a manutenção de aparelhos eletrônicos do ex-ministro Henrique Eduardo Alves e do ex-prefeito de Nova Iguaçu Nelson Bornier, aliados do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ). Os equipamentos – um smartphone da marca BlackBerry e um Ipad – foram confiscados pela Polícia Federal durante buscas e apreensões na Operação Catilinárias, fase da Lava Jato cujo alvo maior era o ex-presidente da Câmara.

Documento

Catilinárias foi deflagrada em dezembro de 2015 e tinha como foco evitar que provas de sete processos no âmbito da Lava Jato fossem destruídas. Na época, foram cumpridos 53 mandados em locais como a casa de Eduardo Cunha, que enfrentava seu processo de cassação na Câmara dos Deputados acusado de mentir à CPI da Petrobrás sobre contas na Suíça.

Ele era acusado de receber R$ 5 milhões em propinas do lobista Julio Camargo.

A decisão de Fachin acolhe pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para autorizar ‘conserto’ de um aparelho BlackBerry apreendido na casa do ex-prefeito de Nova Iguaçu Nelson Bornier e de um Ipad que a Polícia Federal pegou com o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves (PMDB/RN).

“Ante o exposto, (i) determino à Polícia Federal que providencie a manutenção do smartphone da marca BlackBerry e do aparelho Ipad, modelo A1337, a fim de possibilitar-lhes o exame pericial; (ii) defiro, ainda, o compartilhamento pela Procuradoria-Geral da República dessas informações complementares, nos mesmos moldes do explicitado à fl. 4.133”, determinou Fachin.

Henrique Eduardo está preso em regime preventivo no âmbito da Operação Manus, que investiga fraudes de R$ 77 milhões na construção da Arena das Dunas para a Copa 14. O ex-ministro está sob suspeita de receber propinas das empreiteiras OAS e Odebrecht na campanha eleitoral daquele ano, quando concorreu ao governo do seu Estado.

Ele também é investigado pela Procuradoria da República no Distrito Federal por irregularidades que teriam sido cometidas pelo grupo liderado por Eduardo Cunha nas vice-presidências de Fundos e Loterias e Pessoas Jurídicas da Caixa Econômica Federal (CEF).