Extinção de cobrança de direitos autorais em quarto de hotel e cabine de navio é alvo de nova ação no Supremo

Extinção de cobrança de direitos autorais em quarto de hotel e cabine de navio é alvo de nova ação no Supremo

Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) sustenta que a Medida Provisória 907/2019, de Bolsonaro, limita o direito de propriedade dos autores

Redação

28 de janeiro de 2020 | 11h00

Foto: Pixabay

A medida provisória que extinguiu a cobrança de direitos autorais sobre a execução de músicas em quartos de hotel e cabines de navios está sendo novamente questionada no Supremo.

As informações foram divulgadas pelo Supremo – Processo relacionado: ADI 6307

Depois do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) questiona a MP 907/2019 por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6307.

Editada pelo presidente Bolsonaro no fim de novembro do ano passado para impulsionar o turismo, a norma altera dispositivos da Lei 9.610/1998 para extinguir a cobrança de direitos autorais nesses ambientes.

A ADI foi distribuída por prevenção à ministra Rosa Weber. Há pedido de liminar para suspender a eficácia do artigo 1.º da MP 907/2019 até o julgamento do mérito.

Segundo o Ecad, não estariam presentes os requisitos de relevância e urgência exigidos no artigo 62 da Constituição Federal para a edição de medida provisória.

“O minúsculo significado econômico que os direitos autorais em causa representam sobre o valor das diárias revela também que não há urgência a justificar que se atalhe o processo legislativo ordinário, com a edição de uma medida provisória”, argumenta.

O Ecad também aponta ofensa ao artigo 5.º, inciso XXVII, do texto constitucional, que garante aos autores o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras.

Segundo o autor da ADI, hotel ‘cobra uma remuneração, e não há razão plausível para que os titulares dos direitos que são assim explorados deixem de ser remunerados por sua utilização’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: