Expectativa x realidade do mercado financeiro – por que o conhecimento é essencial

Expectativa x realidade do mercado financeiro – por que o conhecimento é essencial

Eduardo Becker*

14 de maio de 2021 | 05h30

Eduardo Becker. FOTO: DIVULGAÇÃO

Muito se escuta sobre a Bolsa de Valores. E o nosso cérebro, por conta de algum mecanismo, costuma filtrar somente as coisas que já ouvimos falar ou concluímos o que, no caso da Bolsa, tem um viés de que a mesma é uma espécie de “cassino”, com o objetivo de tomar dinheiro do pequeno investidor e transferir para os capitalistas malvados. Então tudo o que essa pessoa ler e ouvir sobre Bolsa de Valores poderá ser distorcido em razão dessa crença.

“Nem tanto ao mar, nem tanto à terra”. A Bolsa pode, sim, ser um lugar onde se perde dinheiro e também pode ser um lugar onde se faz muito dinheiro. Mas essas coisas se aplicam a tipos específicos de pessoas e situações.

O tempo é o segredo

Como dizia Warren Buffet, “a Bolsa é um mecanismo de transferência de dinheiro dos impacientes para pacientes” — esta frase revela o grande segredo para a fabricação de riqueza na Bolsa: o tempo.

Se olharmos para a própria natureza em nosso planeta, veremos que o tempo é a variável por excelência para tudo. Para colher frutos, teremos que plantar, cuidar, tratar e esperar o tempo passar até que, depois de alguns anos de dedicação e entrega, teremos nossa recompensa. O mercado da Bolsa de Valores funciona assim também: estudamos, aprendemos a escolher bons ativos e adotamos uma estratégia para reinvestir os dividendos e realizar aportes constantes para um dia, lá na frente, colhermos os benefícios.

Expectativa versus Realidade

Além de disciplina e paciência,  aqueles que pretendem construir patrimônio e renda por meio da Bolsa, precisam conhecer também o funcionamento do mundo dos investimentos.

Nesta etapa, muitos, ao invés de estudar, preferem acompanhar o noticiário da mídia, aquele analista famoso e até mesmo dicas de amigos e parentes. Mas é importante se atentar pois uma das grandes causas para que muitos desistam ou, até mesmo, quebrem, é a falta de conhecimento sobre o funcionamento da Bolsa.

Se reunirmos todas as crenças equivocadas sobre o que se espera da Bolsa de Valores, isso daria quase um livro. Mas gostaria de pontuar aqui as principais expectativas que as pessoas comumente têm a respeito de investimentos em Bolsa, e a realidade por trás de cada uma:

“É possível ficar rico fazendo day trade”

Mentira.  O fato é que day trade é um trabalho e, como tal, a renda que se pode obter dele é uma renda ativa. Isto significa que você só terá renda enquanto praticar a atividade. Experimente passar um ano sem fazer trade e você verá a sua fonte de renda cessar.

Além disso, este é um trabalho dificílimo, exaustivo e estressante. Precisa ter uma saúde de ferro para suportar anos a fio sob estresse intenso e, de vez em quando, devolvendo parte do dinheiro que conseguir arrancar do mercado. Desse modo, podemos dizer que o day trade só dá certo para pessoas que trabalham exclusivamente com isso, que tem muito capital e que já tem uma longa experiência no mercado de renda variável.

“Bolsa é como cassino: quem ganha são os grandes Bancos, que tomam todo o dinheiro do pequeno investidor”

Mentira. O mercado é bastante democrático e, principalmente, meritocrático. Se você sabe o que está fazendo, dificilmente sairá da Bolsa com prejuízo no longo prazo.

As Ações são partes de empresas e uma empresa é feita para dar lucro e crescer. E você como sócio, participará desse crescimento e receberá parte dos lucros.

O que faz você perder dinheiro na Bolsa é assustar-se com qualquer queda, vender suas Ações com medo que elas caiam mais e assim realizando um prejuízo. O maior inimigo do pequeno investidor na Bolsa é ele mesmo quando não sabe o que está fazendo, desconhece a dinâmica da Bolsa e não tem paciência para investir durante mais de uma década e poder colher bons resultados

“Posso perder todo meu dinheiro na Bolsa?”

Parcialmente verdade. Como mencionei, a falta de conhecimento da dinâmica e do funcionamento dos ativos negociados em Bolsa, aliados à ganância podem sim fazer você perder muito dinheiro, eventualmente todo o dinheiro.

Mas quem investe em empresas de bons fundamentos, gestão de qualidade e que atuam em setores perenes e previsíveis encontram na Bolsa um dos lugares mais seguros para se rentabilizar o dinheiro e construir patrimônio.

O problema é que investir desse modo leva tempo – por vezes mais de uma década, e pouca gente está disposta a esperar.

“É só colocar o dinheiro lá e deixar”

Não é bem assim. Ao contrário dos fundos de investimento em Ações que são administrados por grandes equipes de analistas que cuidam do seu dinheiro, a sua carteira de Ações deve ser administrada por você mesmo.

Isto implica que você deverá não apenas saber avaliar empresas de diversos setores, como também deve ser capaz de acompanhar sua evolução ao longo do tempo.

Não é difícil nem complexo. Para um investidor Pessoa Física que quer apenas cuidar do próprio dinheiro, o grau de conhecimento necessário sobre gestão de empresas não precisa ser tão profundo quanto o exigido por profissionais da área Financeira.

A manutenção de sua carteira irá lhe ocupar poucas horas por ano e resume-se em, além de realizar os aportes e atualizar suas planilhas, acompanhar os relatórios e fatos relevantes que a empresa publica periodicamente, e avaliar os dados trimestrais dos demonstrativos financeiros da empresa – algo que com o tempo é possível fazer sem qualquer esforço ou dificuldade.

“Precisa ter um bom controle psicológico”

Sim, pelo menos no início, é verdade. A pessoa que inicia seus investimentos em renda variável costuma assustar-se com o esse “sobe e desce”do preço das Ações e muita gente, não tendo o conhecimento básico sobre o funcionamento do mercado, quando vê seu patrimônio encolher um pouco, vende suas Ações e se depara com o prejuízo.

O investidor que estudou e, portanto, tem conhecimento sobre o mercado de renda variável, irá aproveitar os momentos de queda para comprar – a preços mais em conta – Ações das boas empresas que tem em carteira.

“Tenho que ser bom em matemática”

Não necessariamente. A matemática que você precisa para cuidar da sua carteira de investimento consiste basicamente nas quatro operações matemáticas e porcentagem. Nada além do que você já faz hoje para cuidar de suas despesas pessoais, comprar coisas e declarar o seu imposto de renda.

Mas, em linha com a questão principal deste artigo, é preciso estudar. Assim como qualquer coisa que você faça na vida exige um aprendizado, o conhecimento é fundamental para investir no mercado de Ações.

Quem perde dinheiro na Bolsa são as pessoas que, ao invés de adquirir conhecimento, preferem seguir dicas e estratégias de outras pessoas, sem saber exatamente o que estão fazendo.

Por isso, antes de colocar seu dinheiro em renda variável, procure adquirir conhecimento, fazer um curso, tirar suas dúvidas com especialistas da área. No começo dá um pouco de trabalho, é verdade, mas seus esforços serão recompensados com o tempo.

*Eduardo Becker, professor dos programas B3 na Saint Paul Escola de Negócios

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.