Executivo diz que Camargo Corrêa pagou R$ 110 mi em propinas na Petrobrás

Executivo diz que Camargo Corrêa pagou R$ 110 mi em propinas na Petrobrás

Dois executivos presos pela Lava Jato revelaram, em delação premiada, pagamentos feitos entre 2007 e 2012, em três obras de refinarias; leia depoimentos em que presidente e vice de empreiteira citaram ainda pedidos de valores para o PT, em 2010, por Vaccari e Paulo Roberto Costa

Redação

18 Abril 2015 | 20h56

Por Ricardo Brandt e Fausto Macedo

Os executivos da Camargo Corrêa Dalton Avancini e Eduardo Leite –
presos pela Operação Lava Jato, desde 14 de novembro de 2014 –
revelaram ter pago R$ 110 milhões em propinas na Petrobrás para os
ex-diretores de Renato Duque (Serviços) e Paulo Roberto Costa
(Abastecimento), ao longo de seis anos, por contratos em três obras de
refinarias. Os dois ex-diretores, já denunciados criminalmente, eram
indicações do PT e do PP, no esquema de corrupção na estatal.

“Entre 2007 e 2012 a construtora pagou R$ 110 milhões em propinas,
sendo R$ 63 milhões para a Diretoria de Serviços e R$ 47 milhões para
a Diretoria de Abastecimento”, afirmou Leite, vice-presidente da
Camargo Corrêa Construções e Participações (leia abaixo termo Eduardo Leite 5). Para provar o que diz, ele apresentou aos delegados da Lava Jato uma planilha com valores.

Leite disse ainda que o ex-tesoureiro Leite o ex-tesoureiro do PT João
Vaccari Neto o procurou “por volta de 2010? e pediu R$ 10 milhões para
o partido, conforme havia revelado o Estadão (leia abaixo termo Eduardo Leite 9).

O executivo da empreiteira afirmou que, naquele ano, Vaccari lhe disse que “tinha conhecimento, por meio da Área de Serviços da Petrobrás, que a Camargo Corrêa estava atrasada no pagamento das propinas relativas a contratos (com a Petrobrás)”.

Os executivos da Camargo Corrêa Eduardo Leite (esq.) e Dalton Avancini, que terão que usar tornozeleira eletrônica em prisão domiciliar/Reprodução

Os executivos da Camargo Corrêa Eduardo Leite (esq.) e Dalton Avancini, que estão em prisão domiciliar e usam tornozeleira eletrônica /Reprodução

“Eduardo Leite relatou que João Vaccari o procurou, por volta de 2010,
dizendo que tinha conhecimento, por meio da Área de Serviços da
Petrobrás, que a Camargo Corrêa estava atrasada no pagamento das
propinas relativas a contratos com a Petrobrás, e solicitou que a
propina atrasada fosse paga na forma de doações eleitorais, em
montante superior a R$ 10 milhões.”

Preso na última quarta-feira, Vaccari pode levar as investigações da
Lava Jato a novas provas envolvendo o pagamento de propinas ao PT.
Leite afirmou que, além do ex-tesoureiro, quem pediu dinheiro para o
Partido dos Trabalhadores na campanha de 2010 foi o ex-diretor de
Abastecimento – primeiro delator do processo a fechar acordo em agosto
do ano passado.

Segundo Leite, em 2010, o doleiro Alberto Youssef o procurou e disse
que Costa queria uma reunião privada com ele. Os três teriam se
encontrado em uma suíte do hotel Tivoli Monfarrej, em São Paulo.
“Na ocasião, ele foi questionado por Paulo Roberto Costa sobre a
possibilidade da Camargo Corrêa realizar doações de campanha para o
Partido dos Trabalhadores, para as eleições de 2010”, registra a PF.

“Paulo Roberto disse que a captação do recurso a ser doado seria ‘como
se ele estivesse trabalhando para o Partido dos Trabalhadores para
fazer essa captação”, explicou Leite, que encaminhou o assunto para
outra diretoria. Ele afirma que a doação não teria sido efetiva, pois
se tivesse sido paga, ele teria sido comunicado.

Na extensa denúncia criminal feita em janeiro contra 27 alvos, entre
eles Vaccari e o ex-diretor Renato Duque, o Ministério Público Federal
é taxativo ao se referir ao tesoureiro do PT. “Não há qualquer dúvida
de que João Vaccari tinha plena ciência, na qualidade de tesoureiro e
representante do Partido dos Trabalhadores, do esquema ilícito e,
portanto, da origem espúria dos valores.”

Leia trecho da delação do vice-presidente da Camargo Corrêa, Eduardo Leite ; Reprodução

Leia trecho da delação do vice-presidente da Camargo Corrêa, Eduardo Leite ; Reprodução

Os procuradores federais da Lava Jato estão convencidos do
envolvimento do tesoureiro do PT no vasto esquema de corrupção que se
instalou na Petrobrás. Os termos de delação dos executivos da Camargo
Corrêa reforçaram essa convicção.

“Além de tudo isso, no tocante a João Vaccari, há evidências de que os
esquemas estabelecidos no seio da Petrobrás serviam a partidos
políticos e a projetos pessoais de enriquecimento ilícito de
detentores de cargos públicos, inclusive dele próprio.”

As delações dos dois executivos da Camargo Corrêa são importantes para
os processos da Lava Jato, por serem os primeiros executivos de uma
grande empreiteira a confirmarem o amplo esquema de corrupção em
contratos da Petrobrás, envolvendo ex-funcionários ligados a partidos.
Segundo as denúncias, PT, PMDB e PP cobravam de 1% a 3% de propina nas
contratações da estatal.

Leia trecho da delação que cita cobrança de doação ao PT em 2010 por Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef

Leia trecho da delação que cita cobrança de doação ao PT em 2010 por Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef

Depoimentos. Em depoimentos prestados entre os dias 6 e 16 de março,
anexados nesta sexta-feira aos processos criminais da Lava Jato, que correm em primeira instância, sem sigilo, os dois executivos confirmaram e detalharam como funcionava o cartel de empreiteiras que fatiava obras na Petrobrás, mediante prévio acerto e pagamento de propinas a agentes públicos.

Leite e Avancini, que cumprem pena em regime domiciliar, concordaram nos acordos em pagar multa de R$ 5 milhões, cada um. Ambos são réus por corrupção ativa, formação de organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Um terceiro dirigente da Camargo Corrêa, João Ricardo Auller,
presidente do Conselho de Administração, também está preso na PF pela
mesma acusação. Mas ele ficou de fora do acordo com a força-tarefa.

Cartel. Os delatores detalharam como funcionava o cartel de empreiteiras e apontou os nomes dos envolvidos.

Avancini explicou que o grupo eram comandado pelas maiores empreiteiras, sendo elas Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS, Andrade Gutierrez, UTC e Queiroz Galvão.

Segundo as delações de Avancini, a Odebrecht era a principal empreiteira do grupo. Segundo ele, “quem capitaneava a organização e tinha maior influência na decisões devido ao seu porte” era a construtora o Odebrecht – que ainda será alvo de denúncia da Lava Jato.

A empreiteira nega qualquer relação com propina e esquemas ilegais denunciados na Lava Jato.

Avancini confirmou ainda o papel da UTC, do empresário Ricardo Pessoa – também preso desde 14 de novembro -, como organizadora dos “ajustes” feitos nos contratos da Petrobrás, pelo cartel.

O pagamento de propina “era a parte do jogo”. Segundo os delatores, uma das peças centrais da cobrança de propina na Diretoria de Serviços – cota do PT no esquema – era o lobista Julio Gerin Camargo, do grupo Toyo Setal.

Castelo de Areia. Leite afirma que conheceu Renato Duque em 2009 em um encontro na Diretoria de Serviços agendado pelo lobista Julio Camargo. Segundo Leite, o motivo do encontro era uma obra na Refinaria Abreu e Lima
estratégica para a empreiteira naquele momento, por ela ser alvo das investigações da Operação Castelo de Areia – que foram anuladas pela
Justiça.

“Se fazia importante a assinatura de um contrato, mostrando que embora
investigada, a empresa ainda detinha credibilidade para assinar
contratos públicos”, declarou Leite. O executivo afirmou que, nessa
época, assumiu a frente de uma operação para melhorar o relacionamento
da empreiteira com a Petrobrás.

Leite disse acreditar que a Camargo Corrêa passou a representar certo
risco, inclusive no tocante à descoberta dos pagamentos indevidos que
já eram feitos.

Naquele ano, o executivo da Camargo Corrêa diz ter sido convidado para um jantar na casa do lobista Julio Camargo, no Morumbi, em São Paulo, onde estavam Duque e Barusco.

Foi quando o ex-gerente de Engenharia e braço-direito de Duque afirmou
que a Camargo Corrêa estava em débito com seus compromissos e que
queria um prazo para que isso fosse sanado.

“Barusco disse que a Camargo devia cerca de R$ 50 milhões”.

Os executivos apontaram que, além da obra da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, a Camargo Corrêa pagou essa propina referente às obras da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, e na Refinaria Henrique Lage (Revap), em São Paulo.

Consultoria. O vice-presidente revelou ainda que disse, em  2012, quando Duque saiu da Petrobrás, procurou a Camargo Corrêa e disse que a empreiteira devia R$ 13 milhões em propinas.

“Duque gostaria de receber isso de forma dissimulada, num futuro
breve, como suposta consultoria, e que para tanto enviaria por e-mail
contrato social da empresa de consultoria que ele havia constituído
que se chamava DT3M, para celebração de um contato fictício.”

LEIA OS TERMOS DE DELAÇÃO DO PRESIDENTE DA CAMARGO CORRÊA, DALTON AVANCINI, E DO VICE, EDUARDO LEITE, DA LAVA JATO

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento

Documento