Ex-presidente do Peru recebeu US$ 20 milhões em propinas da Odebrecht

Ex-presidente do Peru recebeu US$ 20 milhões em propinas da Odebrecht

Segundo o jornal 'La República', Ministério Público do país vai pedir a prisão de Alejandro Toledo

Redação

04 de fevereiro de 2017 | 09h35

alejandrotoledo

O ex-presidente do Peru, Alejandro Toledo. Foto: Reprodução

O ex­-presidente do Peru Alejandro Toledo, que governou o país entre 2001 e 2006, teria recebido US$ 20 milhões (cerca de R$ 62,5 milhões) em propina da Odebrecht, segundo investigações do Ministério Público do Peru divulgadas pela imprensa do país na noite de sexta-feira, 3.

O dinheiro teria sido pago em troca de fraudes na licitação da Rodovia Interoceânica, conhecida como Estrada do Pacífico, que liga o Acre ao sul do Peru.  De acordo com o jornal “La Republica”, o Ministério Público do pais pedirá a prisão de Toledo.

Investigadores peruanos dizem ter comprovado a existência de US$ 11 milhões (R$ 34,4 milhões) em uma conta do empresário Josef Maiman, amigo próximo de Toledo. O dinheiro teria sido repassado depois a empresas sediadas em paraísos fiscais.

As investigações no Peru começaram após vir a tona, em dezembro de 2016, documentos do Departamento de Justiça dos EUA revelando que a Odebrecht pagou US$ 3,4 bilhões em propinas desde 2001 em 12 países da América Central, América do Sul e África.

Segundo o Departamento de Justiça americano mais de cem projetos foram negociados em troca de suborno. No período investigado, a empreiteira pagou propinas por obras em Angola, Argentina, Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru e Venezuela.

Em dezembro de 2016, a Odebrecht e a Braskem fecharam um acordo com a Justiça dos EUA, da Suíça e do Brasil no qual admitiu ter pago US$ 20 milhões a um “alto funcionário peruano” para ser contratada em um projeto de infraestrutura.

Toledo está em viagem pela Europa e disse considerar as acusações uma forma de vingança por ter liderado protestos que culminaram com a queda do ex­presidente Alberto Fujimori, em 2000.

“Estarei pronto para colaborar com a Justiça. Nunca fujo dela. Mas Justiça, não vingança”, escreveu em uma rede social

Tudo o que sabemos sobre:

OdebrechtPeruoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.