Ex-policial vai pagar R$ 200 mil pela morte da namorada delegada

Tribunal de Justiça de São Paulo manda ex-investigador indenizar família da vítima; crime ocorreu em 2010

Redação

17 de julho de 2015 | 09h00

Sede do Tribunal de Justiça de São Paulo. Foto: Divulgação.

Sede do Tribunal de Justiça de São Paulo. Foto: Divulgação.

Por Fausto Macedo

A 3.ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou um ex-investigador de Polícia – já sentenciado a 24 anos de reclusão por homicídio qualificado – a pagar R$ 200 mil de indenização aos pais da vítima, delegada de polícia e ex-namorada do réu, assassinada em dezembro de 2010.

As informações foram divulgadas nesta quinta-feira, 16, no site do Tribunal de Justiça. Segundo a ação, inconformado com o fim do namoro, o homem entrou na delegacia armado com duas pistolas e atirou 17 vezes contra a delegada, que morreu no local. Sem resistir, ele se entregou aos policiais e foi preso em flagrante.

Os pais da vítima entraram com pedido de indenização por danos morais alegando que a vida, a saúde e a tranquilidade foram violentamente atacadas pela conduta criminosa do ex-investigador.

Considerando o sofrimento dos pais pela ausência da filha e a privação de auxílio moral e financeiro, o relator do recurso, desembargador Carlos Eduardo Donegá Morandini, fixou o valor da indenização em R$ 100 mil para cada autor. O magistrado também reconheceu R$ 3.486 pelos danos materiais referentes às despesas com tratamentos médicos e psiquiátricos aos quais foram submetidos.

“A morte de um filho, notadamente em decorrência de homicídio doloso, importa em desassossego anormal, reclamando punição financeira severa, ainda que o punido não reúna, no momento, condição favorável”, concluiu.

Os magistrados Egidio Jorge Giacoia e Viviani Nicolau também integraram a turma julgadora e acompanharam o voto do relator.

Tudo o que sabemos sobre:

TJ-SP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.