Justiça condena a 21 anos de prisão padre expulso da Igreja pelo papa Francisco por abuso sexual de coroinhas

Pedro Leandro Ricardo, desligado definitivamente em março passado do Estado clerical por sua Santidade, foi sentenciado pelo juízo de Araras, no interior de São Paulo, por atentado violento ao pudor; ele pode recorrer em liberdade

Redação

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

Sede do Tribunal de Justiça de São Paulo. Foto: TJSP

O juízo criminal de Araras, no interior paulista, condenou o ex-padre Pedro Leandro Ricardo por atentado violento ao pudor contra duas pessoas, com pena majorada em razão da ‘autoridade’ que exercia sobre as vítimas.

Ricardo pegou 21 anos de prisão em regime inicial fechado, mas poderá recorrer da decisão em liberdade.

A Justiça acolheu parcialmente denúncia do Ministério Público de São Paulo, julgando extinta a punibilidade do ex-padre quanto a supostos crimes praticados contra duas outras vítimas, por prescrição.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A decisão foi publicada no Diário de Justiça desta sexta-feira, 20.

Em 2019, o padre foi suspenso das funções de pároco em Americana, após o início de investigações sobe relatos de abuso sexual contra coroinhas. Em março, o então padre foi demitido do estado clerical pelo Papa Francisco.

Sede do Tribunal de Justiça de São Paulo. Foto: TJSP

O juízo criminal de Araras, no interior paulista, condenou o ex-padre Pedro Leandro Ricardo por atentado violento ao pudor contra duas pessoas, com pena majorada em razão da ‘autoridade’ que exercia sobre as vítimas.

Ricardo pegou 21 anos de prisão em regime inicial fechado, mas poderá recorrer da decisão em liberdade.

A Justiça acolheu parcialmente denúncia do Ministério Público de São Paulo, julgando extinta a punibilidade do ex-padre quanto a supostos crimes praticados contra duas outras vítimas, por prescrição.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A decisão foi publicada no Diário de Justiça desta sexta-feira, 20.

Em 2019, o padre foi suspenso das funções de pároco em Americana, após o início de investigações sobe relatos de abuso sexual contra coroinhas. Em março, o então padre foi demitido do estado clerical pelo Papa Francisco.

Encontrou algum erro? Entre em contato