Ex-governador buscou ajuda de Temer para tirar mulher da prisão, diz Promotoria

Relatório do Ministério Público de Mato Grosso afirma que Silval Barbosa (PMDB) recorreu ao vice-presidente da República; a assessoria de Michel Temer afirma que ele não recebeu o ex-governador e 'não fez nenhuma gestão para liberação da mulher'

Redação

18 de setembro de 2015 | 20h15

Silva Barbosa. Foto: Divulgação

Silva Barbosa. Foto: Divulgação

Por Fausto Macedo, Julia Affonso e Mateus Coutinho

Relatório do Grupo de Combate ao Crime Organizado, braço do Ministério Público de Mato Grosso, indica que o ex-governador Silval Barbosa (PMDB/2011-2014) teria buscado ajuda do vice-presidente da República Michel Temer (PMDB-SP) para tirar sua mulher da cadeia. Roseli Fátima Meira Barbosa foi presa em 20 de agosto, em São Paulo, por suspeita de envolvimento em esquema de desvio de quase R$ 3 milhões da Secretaria de Assistência Social de Mato Grosso.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o vice-presidente afirmou que ‘não fez nenhuma gestão para liberação da mulher de Silval Barbosa’ e que nem recebeu o ex-governador de Mato Grosso.

Michel Temer. Foto: André Dusek/Estadão

Michel Temer. Foto: André Dusek/Estadão

Os promotores do Gaeco interceptaram ligações telefônicas do ex-governador que na última segunda-feira, 14, teve sua prisão preventiva decretada pela juíza Selma Arruda, de Cuiabá, no âmbito da Operação Sodoma. Silval Barbosa teria cobrado R$ 2 milhões de três empresas em troca de benefícios fiscais. Nesta quinta-feira, 17, o ex-governador se entregou à Justiça.

O monitoramento do peemedebista revela que ele esteve em Brasília no dia 25 de agosto. Segundo o relatório, 16h57, Silval Barbosa recebeu ligação de um telefone da capital federal, de uma mulher que se identificou por ‘Nara’. “Vem agora, pode vir agora, Nara, tá?”, disse a mulher.

Silva agradece e diz que o trânsito ‘está meio ruim’. Nara diz que ‘dá tempo’. Silval, então, questiona se a procura. Ela diz sim, e que “aí coloco o senhor pra falar com ele”. Ambos se despedem.

O relatório subscrito por um analista da Gerência de Interceptação Telefônica e Telemática do Gaeco informa. “Diante da ligação, de imediato procuramos identificar quem seria tal pessoa que Silval Barbosa queria tanto falar, já que aparentava ser alguém de renome, visto a forma com que a senhora interlocutora (Nara) se reportou a tal pessoa, ‘aí coloco o senhor pra falar com ele’. Assim, ao identificar o terminal que Silval havia recebido a ligação, em breve e informal pesquisa junto ao Google constatamos que se tratava de um terminal do Palácio do Planalto – Presidência da República.”

Às 17h34 do mesmo dia, 26 de agosto, o ex-governador recebe uma nova ligação de Nara, desta vez de outro número. Ela indaga se Silval já chegou. “Está trancado-o trânsito aqui, não está passando nada”, diz o ex-governador.

Nara, segundo o Gaeco, diz que “ele vai ter que sair, não vai dar para esperar, ele tá saindo agora”. Em seguida, ela questiona se daria para ele falar por telefone. Silval diz que ‘vai ver um fixo’ e pergunta se liga no número que Nara está ligando. Ela diz que não, que esse é PABX. Nara o orienta a ligar para outro número, e ‘que é para ele ligar agora, pois ele vai sair’.

O documento do Gaeco destaca. “Até este momento detínhamos apenas o conhecimento que Silval Barbosa procurava alguém ligado à Presidência da República, sem, contudo, precisar quem seria tal
figura, já que os terminais que o mantiveram contatos apenas apontavam para a titularidade da Presidência da República.”

O relatório diz ainda. “Entretanto, na mesma ligação, a senhora Nara, em tese telefonista, informou outro ·telefone para que Silval Barbosa devesse retornar a ligação. Ao realizar a busca informal da aludida linha telefônica junto ao Google constatamos que se tratava de um terminal do Gabinete do Vice-Presidente da República.”

A Promotoria concluiu que a interlocutora do ex-governador é Nara de Deus Vieira, ‘Chefe de Gabinete do Vice-Presidente da República, senhor Michel Miguel Elias Temer de Lulia, presidente do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), mesmo partido político do ex-governador Silval Barbosa’.

Ainda segundo o documento do Ministério Público de Mato Grosso, às 21h50, de 25 de agosto, Nara, usando seu celular funcional, entra em contato com Silval e questiona o nome completo de sua mulher. O ex-governador responde: Roseli de Fátima Meira Barbosa. “Tá bom, eu já vou, falamos amanhã então”, diz Nara.

Segundo a Promotoria, a defesa de Roseli havia perdido um habeas corpus no Tribunal de Justiça do Estado. “Após essas conversas que, em tese, apontam para uma tentativa de obter junto ao vice-presidente da República um apoio para a demanda negada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (êxito na liberdade da paciente Roseli Barbosa), no dia seguinte (26 de agosto de 2015), o Ministro Reynaldo Soares da Fonseca, empossado no Superior Tribunal de Justiça no dia 26 de maio de 2015, deferiu o pedido da defesa e determinou a soltura da senhora Roseli Barbosa”, afirma o relatório.

O Ministério Público de Mato Grosso destaca no relatório. “A sequência de conversas travadas entre Silval e a Chefe de Gabinete de Michel Temer, senhora Nara de Deus Vieira, demonstra com clareza que o ex-governador contatou o vice-presidente com esse propósito, senão fosse isso, por qual motivo Nara Vieira questionaria a Silval se poderia falar esse assunto via telefone? E, por que Silval preferiu contatar de um telefone fixo para ligar ao fixo do Gabinete de Michel Temer? E ainda, porque Nara Vieira contataria Sival quase às 23 horas (horário local de Brasília), para questionar o nome completo de Roseli? Ao realizar tais questionamentos, não há dúvida que o propósito de Silval, ao contatar com o vice- presidente da República, não é outro senão a liberdade de sua esposa.”

COM A PALAVRA A ASSESSORIA DO VICE-PRESIDENTE MICHEL TEMER

Por meio de sua assessoria de imprensa, Michel Temer informou que o ex-governador Silval Barbosa ‘tentou entrar em contato’. Segundo a assessoria, o ex-chefe do Executivo de Mato Grosso queria pedir a Temer ‘um auxílio, uma orientação no caso da esposa (Roseli Barbosa)’. Silval, por seus advogados, já tinha perdido habeas corpus para a mulher no Tribunal de Justiça de Mato Grosso. O vice-presidente da República, segundo sua assessoria, ‘não conseguiu abrir espaço na agenda, naquele dia, não recebeu (Silval Barbosa)’

“O vice presidente Michel Temer não fez nenhuma gestão para liberação da mulher (Roseli Barbosa) nesse processo, em nenhum momento”, destaca a assessoria.

COM A PALAVRA, O MINISTRO REYNALDO SOARES DA FONSECA, DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca informou, por meio da Assessoria de Comunicação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que não conhece Roseli Barbosa, nunca teve relação com o ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa e não se encontrou com o vice-presidente Michel Temer ou qualquer um dos citados na investigação do Ministério Público.

O ministro esclareceu que não pode se manifestar uma vez que o caso da mulher do ex-governador ainda está sob análise nos tribunais – Tribunal de Justiça de Mato Grosso e STJ.

Mas, por meio da Assessoria de Comunicação da Corte, Reynaldo Soares da Fonseca fez questão de esclarecer que sua decisão (concessão de habeas corpus para Roseli Barbosa) foi baseada em preceito já consolidado nas Cortes superiores – STJ e o Supremo Tribunal Federal -, ‘a ausência de contemporaneidade’ – o ministro se baseou em questões como o fato de a conduta atribuída a Roseli Barbosa ter ocorrido há três anos e o grupo sob suspeita não estar mais no poder em Mato Grosso.

Baseada nessas questões, o ministro do STJ  não via nexo para manter presa a mulher do ex-governador. Por isso, tomou a decisão de conceder liminar em habeas corpus para Roseli.

A decisão de Reynaldo Soares da Fonseca foi tomada em agosto e, desde então, nunca houve nenhum questionamento a ela, nenhum recurso foi interposto.

O advogado Frandisco Faiad, que defende o ex-governador Silval Barbosa (PMDB), rechaçou a suspeita de que o peemedebista tenha feito lobby junto ao vice-presidente da República Michel Temer para que intercedesse em favor de sua mulher, Roseli Barbosa, presa dia 20 de agosto.

“Isso é totalmente infundado, não houve nenhuma tentativa de lobby, por um auxílio diferente. O que houve foi apenas uma conversa entre amigos, Michel Temer é do PMDB, Silval Barbosa é do PMDB. São conhecidos e, portanto, são amigos.”

Faiad é categórico. “Posso afirmar que não houve qualquer tipo de ingerência do vice-presidente da República, nem Silval Barbosa teve esse objetivo. Parece que, quando a esposa do governador Silval foi presa, houve sim uma manifestação de solidariedade do vice-presidente ao governador e à família dele em razão da amizade e do fato de serem companheiros de partido.”

 

 

 

Tendências: