Ex-gerente do BB condenada a pagar R$ 2,4 mi por desvio de dinheiro de clientes

Ex-gerente do BB condenada a pagar R$ 2,4 mi por desvio de dinheiro de clientes

Segundo ação na Comarca de Ipumirim, em Santa Catarina, valores eram desviados no momento dos depósitos ou diretamente da conta; Deise Marisa Taube confessou que usava os recursos para 'pagar despesas de sua loja de motos'

Pedro Prata

04 de agosto de 2019 | 16h00

Uma ex-gerente do Banco do Brasil de Lindoia do Sul, em Santa Catarina, foi condenada sob acusação de desviar R$ 826 mil de contas dos clientes e do próprio banco. Deise Marisa Taube confessou o crime, e disse que o dinheiro era usado para ‘pagar despesas da sua loja de motos’.

Deise deverá ressarcir mais de R$ 826 mil ao BB, autor da ação. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

A juíza Letícia Bodanese Rodegheri, da Comarca de Ipumirim, condenou Deise por danos ao erário e ato de improbidade administrativa.

Ela deverá ressarcir os mais de R$ 826 mil ao BB, autor da ação, além de pagar multa no valor equivalente a duas vezes o dano apurado.

Deise deverá pagar cerca de R$ 2,4 milhões. Ainda, fica proibida de realizar contratos com o Poder Público por dez anos.

Confira a sentença:

Documento

Deise recebia dinheiro dos clientes do banco mas, em vez de realizar os depósitos solicitados, pegava o dinheiro para si. Também aconselhava alguns clientes a fazer aplicações, mas não apresentava comprovantes de tais ações. Uma das vítimas chegou a ter R$ 200 mil retirados de sua conta.

Ela mantinha uma lista com as pessoas lesadas e afirma que pretendia devolver o montante a todas.

A relação de nomes ficou com a agência do Banco do Brasil, que ressarciu o valor a seus clientes após a descoberta do esquema.

COM A PALAVRA, O BANCO DO BRASIL

Por meio de nota, a assessoria de comunicação do Banco do Brasil informa que ‘mantém estrutura dedicada à prevenção a fraudes e apta a detectar a atuação de golpistas por meio de sistemas e soluções de segurança. Quando detecta esse tipo de ocorrência, o banco noticia as autoridades competentes e colabora com as investigações por meio do repasse de subsídios no seu âmbito de atuação.

A conduta de funcionários do Banco envolvidos em irregularidades é analisada sob o aspecto disciplinar. De acordo com as normas internas, as soluções administrativas passíveis de aplicação vão desde a advertência e suspensão até destituição do cargo, demissão sem justa causa e demissão por justa causa’.

Tudo o que sabemos sobre:

Banco do Brasil

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: