Ex-diretor de Vara de Lavagem vira réu por 26 desvios de dinheiro

Jedeão de Oliveira, que trabalhou 21 anos comissionado na Justiça Federal em Campo Grande (MS), teria desviado dinheiro apreendido com réus e que estava sob custódia judicial

Julia Affonso e Fausto Macedo

13 de janeiro de 2017 | 05h00

 

A Justiça Federal abriu ação penal contra o ex-diretor da Secretaria da 3.ª Vara Federal Especializada em ações sobre Lavagem de Dinheiro de Campo Grande (MS), Jedeão de Oliveira, acusado de 26 crimes de peculato – número de vezes que teria desviado dinheiro apreendido de réus e que estava sob custódia judicial. A ação foi aberta pelo juiz Dalton Kita Conrado, que recebeu denúncia do Ministério Público Federal.

Jedeão ocupou cargo em comissão na 3.ª Vara por 21 anos, informou o site do jornal Midiamax, de Campo Grande. Em julho de 2016, ele foi exonerado.

Assim que surgiram suspeitas sobre a conduta de Jedeão, o juiz federal Odilon de Oliveira exonerou o diretor – que estava no cargo desde 1995 – e comunicou a Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF3), que detém jurisdição em São Paulo e Mato Grosso do Sul.

A investigação aponta desvios que podem superar R$ 500 mil.

Segundo Midiamax, o advogado José Roberto da Rosa, constituído por Jedeão, disse que o ex-diretor nega qualquer irregularidade. O defensor observou que não era apenas Jedeão que tinha em seu poder as senhas para promover transações com valores apreendidos.

Tudo o que sabemos sobre:

Campo GrandeJustiça Federal

Tendências: