Ex-colegas de Moro pedem veto a juiz de garantias no pacote anticrime

Ex-colegas de Moro pedem veto a juiz de garantias no pacote anticrime

Associação dos Juízes Federais do Brasil, Ajufe, enviou ofício ao ministro da Justiça e Segurança Pública argumentando que a criação que um magistrado que seria responsável somente por decisões durante a investigação criminal não afastaria suposto problema de 'contaminação' de juízes

Pepita Ortega

13 de dezembro de 2019 | 11h05

O ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública). Foto: JF Diorio/Estadão

A Associação dos Juízes Federais do Brasil enviou nesta quarta, 11, ao ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) um ofício pedindo veto à criação do juiz de garantias no pacote anticrime aprovado pelo Senado nesta quarta-feira, 11. Segundo a entidade de magistrados, a implementação de tal figura – que ficaria responsável por decisões durante a investigação criminal, mas não julgaria o caso no final do processo – seria de difícil operacionalização, implicaria em gastos significativos, além de ser ‘desnecessário e inadequado’ a sua própria finalidade, de afastar suposto problema de ‘contaminação’ de juízes.

Documento

Nesta quinta, 12, Moro afirmou que trechos do pacote anticrime podem ser vetados pelo presidente Jair Bolsonaro. O ministro não citou itens, mas o Estado apurou que um deles seria o relativo ao juiz de garantias.

A criação de tal figura não fazia parte do pacote apresentado pelo ministro ao Congresso em fevereiro. O item foi incluído pelo grupo de trabalho da Câmara dos Deputados que analisou as propostas do ex-juiz federal e do ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

O principal argumento para implementação do juiz de garantias seria a ideia de que a atuação do magistrado na fase investigativa de um processo prejudicaria sua imparcialidade para conduzir a ação penal e proferir uma sentença.

Para Ajufe, no entanto, a criação de tal figura estaria fundada em ‘conjecturas e pressuposições’, além de ser de difícil implantação e gerar impactos no orçamento do Poder Judiciário. A entidade argumenta que, segundo dados do, Conselho Nacional de Justiça, cerca de 40% das Comarcas da Justiça Estadual são compostas por apenas uma Vara, e dessa maneira para implantação do juiz de garantias, seria necessário, no mínimo, dobrar o número de magistrados de primeira instância.

A Associação questiona ainda se a criação do juiz de garantias seria necessária e adequada, argumentando que, a figura definida do projeto anticrime, não seria capaz de evitar a suposta ‘contaminação’ do magistrado do processo, que, após o recebimento da denúncia teria contato com peças da investigação criminal.

“Além disso, nos termos da Proposta, o Magistrado, no curso da fase processual, pode decretar cautelares, inclusive sem prévio contraditório. Portanto, as supostas ‘fontes de contaminação’ permaneceriam à disposição do Juiz do processo”, diz ainda a Ajufe.

A entidade rebateu ainda o argumento de que o Juiz das Garantias tem previsão no ordenamento jurídico de outros países. Sobre essa questão, a Ajufe argumenta que os modelos estrangeiros que adotam a figura do Juiz da instrução não se aproximam do sistema brasileiro.

“Naqueles o Juiz possui atuação proativa na produção probatória, enquanto que nesse a atuação é meramente reativa. Assim, para esses modelos faz-se premente a existência de dois Magistrados incumbidos da persecução penal, enquanto no modelo pátrio essa exigência é despicienda”, dizem os magistrados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: