Áudio revela ex-aliado de Funaro extorquindo ‘100 pau para apagar incêndio’

Áudio revela ex-aliado de Funaro extorquindo ‘100 pau para apagar incêndio’

Gravação revela negociação entre Alexandre Margotto e dois interlocutores para não incriminar lobista apontado como operador de propinas do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha; investigadores acreditam que o próprio Lúcio Funaro arquitetou a gravação para desmoralizar o ex-aliado

Fábio Fabrini, Fábio Serapião, de Brasília, Mateus Coutinho e Julia Affonso

13 de julho de 2016 | 14h48

Lucio Funaro. Foto: Dida Sampaio/AE - 2006

Lucio Funaro. Foto: Dida Sampaio/AE – 2006

Uma conversa de 40 minutos entre Alexandre Margotto, ex-funcionário do lobista Lúcio Bolonha Funaro, e dois interlocutores, revela suposta extorsão de R$ 100 mil ‘para apagar um incêndio’. O diálogo anexado aos autos de um dos processos da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) pode indicar que Margotto queria o dinheiro para não incriminar Lúcio Funaro. Apontado como operador de propinas do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara, Funaro foi preso na Operação Sépsis, deflagrada no dia 1.º a partir da delação premiada do ex-vice-presidente da Caixa, Fábio Cleto – suas revelações colocam Eduardo Cunha e Funaro no coração de um esquema milionário de propinas.

A ÍNTEGRA DO DIÁLOGO:

Investigadores da Lava Jato trabalham com a hipótese de que Funaro incumbiu um aliado seu, conhecido como ‘Bob’, que seria informante policial, para se aproximar de Margotto e gravar a conversa.
O plano de Funaro seria ‘desacreditar’ Margotto, que trabalhou para ele durante três anos no escritório do lobista em São Paulo e estava cobrando uma dívida de R$ 11,5 milhões relativa a um financiamento do Fundo de Investimentosdo FGTS (FI-FGTS) liberado na época em que a vice-presidência da Caixa era ocupada por Fábio Cleto – muito amigo de Margotto.

A amigos, Margotto contou que os R$ 11,5 milhões eram referentes à propina que ele e Funaro iriam receber a partir da liberação de crédito do FI/FGTS. Margotto reclama que o lobista ficou com todo o dinheiro e não lhe repassou a sua parte.

Margotto conheceu a rotina de Funaro no período em que trabalhou para ele. Sabe quem frequentava o escritório do lobista e para quem Funaro distribuía propinas. Foi ele, Margotto, quem apresentou Fábio Cleto, da Caixa, a Funaro. Por isso, os investigadores supõem que o lobista fez uma ‘armação’ para tentar desmoralizar seu antigo funcionário.

Disposto a neutralizar a ofensiva de Margotto, o lobista orientou ‘Bob’ a procurá-lo e gravar a reunião, que transcorreu por cerca de quarenta minutos. ‘Bob’ pergunta a Margotto se ‘100 pau resolve’.

“Pra começar a negociar já. Ele precisa me pagar 100 pau agora, já, para depois a gente sentar e negociar”, afirma Alexandre Margotto.

LEIA TRECHOS DA CONVERSA:

Bob: 100 pau resolve?

Margotto: Pra começar a negociar já. Ele precisa me pagar 100 pau agora, já, para depois a gente sentar e negociar.

Bob: Você fica parceiro dele?

Margotto: Pra começar ele precisa me dar 100 pau, antes de ele viajar.

(…)

Margotto: Para. Calma aí, eu tenho muito a falar desde o começo. E se eu for falar desde o começo, eu tenho muito a falar.

Bob: Se eu conseguir amanhã ou sexta-feira esse recurso.

Margotto: Apagar incêndio.

Bob: Na outra semana, tá viajando. Na outra semana a gente senta, você fala para ele que você ajuda ele e corrobora a favor dele.

Margoto: Tá bom, mas eu preciso primeiro apagar meu incêndio. Preciso pagar mercado, cara. O cara tá me fudendo. Cartão de crédito, não quero ficar pagando juros. ‘Meu, apaga o incêndio do cara, Lúcio, apaga o incêndio aqui.”

(…)

Margotto: Apaga o incêndio aqui, depois você negocia o grande. Ele precisa apagar o incêndio dele.

Bob: Você ajuda ele contra o Fábio e contra o Schahin?

Margotto: Ajudo.

Bob: Eu tô lutando contra o meu amigo que é Schahin. Você ajuda ele contra o Schahin?

Margotto: Ajudo o que ele quiser.

Bob: O que você tem a favor dele contra o Schahin?

Margotto: Não falar nada, não deponho contra ele já é um grande favor. Eu sei toda a história do Schahin.

Bob: O Schahin f…Sabe quanto o Schahin deve para ele? 1 bilhão e meio.

Margotto: O Lúcio comprou um juiz que eu arrumei, ele sabe.

Bob: É mesmo? Ele sabe disso?

Margotto: Sabe.

Bob: A favor do Lúcio? Você ajudou o Lúcio? E ele sabe disso?

Margotto: Sabe.

Bobo: E você não cobrou o Lúcio (sobre o caso do juiz)?

Margotto: Ainda não.

Bob: Mas ele sabe disso?

Margotto: Sabe

Bob: Não tem nada aqui.

Margotto: Tá.

Bob: Aqui não tá.

Margotto: Tá.

Bob: Tá aqui?

Margotto: Tá.

Bob: Ah, do juiz.

Margotto: Tá. Eu f…ele muito nisso, mas muito.

Bob: Você quer o que? Você quer foder o Lúcio ou quer pegar a grana?

Margotto: Eu quero estar do lado do Lúcio e que ele não me desampare financeiramente nem juridicamente.

Bob: Posso falar? Eu conheço o Lúcio, ele é um cara…

Margotto: Mas já eu quero 100 pau agora. Eu quero R$ 100 mil agora para apagar incêndio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.