‘Eu não vejo os companheiros da PF irem na casa do Cunha’, reclama secretário do PT

‘Eu não vejo os companheiros da PF irem na casa do Cunha’, reclama secretário do PT

Secretário de Comunicação do partido João Bravin chama de 'fascista' ação da PF na sede da sigla e questiona por que as autoridades não vão à sede de outras siglas

Ana Fernandes e Mateus Coutinho

23 de junho de 2016 | 10h49

protestosedept

Um grupo de cerca de 10 militantes, comandado pelo secretário municipal de Comunicação do PT, João Bravin, realizou uma manifestação em defesa da sigla em frente à sede do diretório nacional do Partido dos Trabalhadores, no centro da capital paulista.

Eles estenderam uma grande faixa, que ocupa metade do chão da rua, com uma foto do rosto do presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e os dizeres “Tchau, ladrão”, uma resposta ao “Tchau, querida” usado contra Dilma Rousseff no processo de impeachment.

A faixa também provoca o presidente em exercício com o questionamento: “E o Temer?” – Temer foi citado em delações da Lava Jato mas não é alvo, até o momento, de nenhum processo de investigação e Cunha tornou-se réu, ontem, pela segunda vez no STF, suspeito de lavagem de dinheiro e desvios no esquema de corrupção da Petrobras.

CONFIRA NO VÍDEO AS CRÍTICAS DO SECRETÁRIO DO PT À OPERAÇÃO:

“Não vejo os companheiros da Polícia Federal irem na casa do Cunha, da mulher do Cunha, da filha do Cunha. Esse senhor aqui manda na República hoje golpista”, disse Bravin, após estender a faixa no chão, enquanto andava de um lado a outro em frente à sede do PT. “Onde está a Polícia Federal pra prender esse cidadão (Cunha) que manda na República, que faz marionete do Michel Temer?”

O secretário petista também citou integrantes do PSDB, como o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Fernando Capez, citado em investigações da Máfia da Merenda, e o ministro da Justiça, ex-secretário de Segurança da gestão Alckmin em São Paulo, Alexandre de Moraes. João Bravin acusou Moraes de servir a interesses do governo Temer ao autorizar a ação de hoje da Polícia Federal.

[veja_tambem]

“Associem, ontem uma conversa do (Sergio) Moro (juiz da Lava Jato) com Alexandre de Moraes, o Cunha novamente como réu e na sequência uma ação dessa. Vejo como (tentativa) de desviar o foco, uma tentativa esdrúxula de garantir um governo golpista que não tem como se sustentar. A cada semana temos um ministro desse governo golpista saindo. É um absurdo essa perseguição seletiva ao PT”, disse o petista a jornalistas, após sua manifestação.

A ação de hoje é seletiva contra o nosso partido, a ação hoje contra o Paulo Bernardo, contra o ex-ministro Gabas e aqui na sede do PT é exatamente porque o PMDB está acuado. Michel Temer não tem governabilidade. Quem manda na República é Eduardo Cunha, esse cidadão réu no STF É uma vergonha a gente ter a Polícia Federal se prestando a esse papel, a mando de Alexandre de Moraes ministro tucano que incorpora o governo golpista Temer”, afirmou Bravin em tom exaltado, ao citar o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, que foi preso, e o ex-ministro Carlos Gabas, que foi levado a depor coercitivamente.

“Esse mesmo Alexandre de Moraes é o mesmo que está hoje na Justiça (ministério) e que foi secretário (de Segurança) de São Paulo. Como pode? A população desse País assistir isso. Uma ação dessa é uma ação contra a democracia, contra o estado de Direito, a liberdade de expressão”, prosseguiu. E destacou que PT, PCdoB e PSOL foram partidos a defender uma constituinte exclusiva para a reforma política enquanto outros partidos, como PSDB e PMDB não são investigados.

“Por que a polícia Federal invade a sede de um partido e só do PT?”, questionou. Apesar da fala do petista, políticos tucanos, como Aécio Neves, presidente do partido, e caciques do PMDB, como Cunha, o presidente do Senado, Renan Calheiros, e o senador Romero Jucá são investigados na operação.

A sede do PT é alvo de mandado de busca e apreensão na manhã desta sexta-feira, no âmbito da operação Custo Brasil – desdobramento da Lava Jato. Bravin afirmou que nem ele nem outros dirigentes do partido têm ainda informação sobre o que está sendo coletado no prédio. O presidente do PT nacional, Rui Falcão, dirige-se neste momento a São Paulo, vindo da capital federal. Ainda não há informação se ele falará com a imprensa.

A Custo Brasil é conjunta da PF com o Ministério Público Federal e a Receita Federal do Brasil e apura o pagamento de propina, proveniente de contratos de prestação de serviços de informática, na ordem de R$ 100 milhões, entre os anos de 2010 e 2015, a pessoas ligadas a funcionários públicos e agentes públicos ligados ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão – MPOG.

Segundo a PF, estão sendo cumpridos 11 mandados de prisão preventiva, 40 de busca e apreensão e 14 de condução coercitiva nos estados de São Paulo, do Paraná, do Rio Grande do Sul, de Pernambuco e do Distrito Federal, todos expedidos, a pedido da Federal, pela 6ª Vara Criminal Federal em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação Custo BrasilPolícia FederalPT

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: