Eu era ‘instrumento de recebimento’, diz operador de propina na Petrobrás

Eu era ‘instrumento de recebimento’, diz operador de propina na Petrobrás

Mário Góes afirmou não saber o valor dos repasses feitos ao ex-gerente da estatal Pedro Barusco: 'Muito difícil dizer principalmente pela parte em espécie'

Ricardo Brandt e Julia Affonso

12 Novembro 2015 | 17h49

Mário Góes prestou depoimento em ação da Andrade Gutierrez. Foto: Reprodução

Mário Góes prestou depoimento em ação da Andrade Gutierrez. Foto: Reprodução

O engenheiro Mário Góes, operador de propinas no esquema de corrupção instalado na Petrobrás, afirmou ao juiz Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava Jato, que era ‘um instrumento de recebimento’ de recursos. Em audiência na quarta-feira, 11, no processo da Andrade Gutierrez, o executivo reafirmou que intermediava propina para o ex-gerente executivo da estatal Pedro Barusco.

Preso em fevereiro deste ano, Mário Góes fechou um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal em julho. O executivo recebeu benefícios em troca de revelar o que sabia sobre o esquema de corrupção.

Em 21 de setembro, Mário Góes foi condenado a 18 anos de prisão e 4 meses de prisão pela Justiça Federal do Paraná. Como colaborador, ele cumprirá a penas definida nos acordos com a força-tarefa da Lava Jato.

[veja_tambem]

“Eu era um instrumento de recebimento desses recursos que vinham para pagar os acertos entre Pedro Barusco e as companhias”, afirmou Mário Góes. “Basicamente, um intermediador dos recursos, não das conversas entre eles.”

Em sua delação premiada, o executivo confirmou que usou suas empresas, a RioMarine e a Phad Corporation, para repasse de propina e lavagem de dinheiro da Andrade Gutierrez para a Diretoria de Serviços da Petrobrás.

O executivo revelou que os repasses de propina eram feitos por ‘três métodos’: por contratos de sua empresa Rio Marine, em espécie e em contas no exterior. Mário Góes disse não saber o valor total repassado a Barusco. Ele citou o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque.

“Muito difícil dizer principalmente pela parte em espécie”, disse. “Eu só repassava para ele (Barusco). Ele, nas conversas comigo, dizia que tinha outras pessoas. Se referia, especialmente, ao dr. Renato duque. Nunca tive contato sobre isso com Renato Duque.”