Estudantes e educadores: o que fazer diante da crise do Inep e das incertezas em relação ao Enem?

Estudantes e educadores: o que fazer diante da crise do Inep e das incertezas em relação ao Enem?

Bruno Ferrari*

17 de novembro de 2021 | 07h30

Bruno Ferrari. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Às tantas dúvidas e inseguranças experimentadas pelos estudantes na hora de fazer a prova do ENEM, soma-se nas últimas semanas o cenário de crise na administração do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, o órgão responsável pela realização da prova). O MEC (Ministério da Educação) e a presidência do INEP afirmam que o ENEM não será adiado e não sofrerá impacto mesmo diante do pedido de demissão de mais de 30 servidores do Instituto, alguns com cargos relacionados à aplicação da prova e à apuração dos resultados.

Em meio a esse redemoinho de incertezas, o que se passa nos pensamentos dos estudantes, que estão se preparando como podem para este que talvez seja um dos primeiros grandes desafios da vida adulta a que adentram?

Para a maior parte dos candidatos e candidatas, o momento do ingresso na universidade por si só envolve a tensão do término de uma fase da vida e do início de uma outra totalmente desconhecida, a fase em que nos tornamos jovens adultos, precisamos fazer nossas próprias escolhas e lidar com seus desdobramentos. O ENEM e os vestibulares não são somente um rito de passagem, são a porta de entrada para este mundo em que mesmo nós, adultos, pais, mães, educadores, sejamos ou não cuidadores responsáveis por adolescentes que vão fazer a prova, nos vemos profundamente desafiados quanto às decisões que dão forma às nossas trajetórias pessoais.

Falando em decisões: os adolescentes não são os únicos. Quantos adultos não desejam migrar de carreira, tomar outros caminhos para além dos que escolheram quando tinham a idade que têm agora os 1,6 milhões de menores de 16 anos inscritos no ENEM (quase metade dos participantes da edição deste ano)? Tenho orientado muitos adultos e jovens adultos que se preparam por anos, fazendo reservas financeiras e organizando suas vidas profissionais e familiares para retomar o desejo de fazer sua primeira ou segunda graduação – na maior parte, profissionais já formados em outras áreas cujo desejo de cursar Medicina mobiliza todos os seus esforços. Para se tornarem médicos e médicas, a mais concorrida das carreiras universitárias no país, precisam também passar pelo ENEM.

São milhões de pessoas (mais de 3 milhões no total, inscritos no ENEM 2021) para quem as incertezas lançadas pela atual crise na gestão do INEP significam mais uma fonte de preocupação e ansiedade para além daquilo que já pertence naturalmente ao desafio de ingressar no ensino superior no Brasil, sobretudo na universidade pública ou nos programas de financiamento estudantil.

A crise na gestão do INEP coloca em risco a prova do ENEM 2021? 

O que fazer diante de tantas incertezas?

Estudantes, professores, pais, mães, educadores: o que fazer diante dessa situação de crise na gestão do órgão responsável pela maior avaliação institucional da educação brasileira? Como podemos orientar e tranquilizar os pensamentos de quem tem o ENEM pela frente?

Dificilmente a prova em si será afetada, mas há incertezas em relação a como possíveis problemas serão resolvidos pelo time do INEP, e possivelmente, sobre o processamento dos resultados.

A atitude mental e emocional mais inteligente diante de uma incerteza é aceitá-la exatamente como o que ela é: um punhado de possibilidades, de coisas que podem vir a ser, mas que não aconteceram e podem nem acontecer. Nessa situação, o melhor a fazer é seguir com foco no objetivo principal, que é fazer uma a prova e atingir a melhor nota possível. Não desperdiçar energia sofrendo pelo que não aconteceu, e preparar-se para o que é concreto: de um jeito ou de outro, o ENEM vai acontecer.

Aos alunos e alunas que irão fazer a prova: continuem estudando. Nada é mais importante do que os seus objetivos nesse momento.

Aos professores, orientadores e cuidadores que partilham da preocupação em oferecer o apoio e orientação mais adequados: deixemos claro, de forma muito bem delimitada, que a ocorrência ou não na prova não é um problema que pertence aos alunos, e que devem seguir com os seus estudos.

A ocorrência da prova pertence aos donos do problema: o pessoal responsável do INEP e do MEC, que deve resolvê-lo para o bem de todos. A cada um a dimensão e a responsabilidade sobre os problemas que lhe cabem.

Aos estudantes, cabe seguir adiante com a preparação para realizar uma boa prova. Fazer a prova acontecer é um problema das lideranças do INEP e do Ministério da Educação. A nós, educadores, cabe apoiar a todos os alunos e alunas para que sigam estudando e dêem o seu melhor nas provas de Linguagens e Códigos, Ciências Humanas e Redação, no primeiro dia do ENEM, e de Matemática e Ciências da Natureza, no segundo dia.

Estudante: o que você precisa saber para seguir se preparando com tranquilidade para o ENEM 2021

O ENEM vai ser adiado?

NÃO.

O ENEM e toda a logística em torno da sua aplicação começam a ser preparados com um ano de antecedência.

A prova de 2021 já está pronta e impressa. As empresas que cuidam da distribuição e da segurança do exame estão contratadas faz tempo e tudo com já planejado (não é o time do INEP que cuida diretamente de todas as etapas: empresas privadas são contratadas para conduzir diversos aspectos relacionados à prova). Todos os locais de aplicação já estão determinados e preparados para receber as provas e os estudantes.

A essa altura, com tudo pronto, a chance do ENEM ser adiado ou cancelado é virtualmente zero (isso quer dizer que quase nada nesse mundão tem chance zero, zero mesmo de acontecer; mas, para algumas coisas – como o adiamento do ENEM agora – a chance é praticamente zero, a não ser que caia um meteoro no planeta na próxima semana, ou algo desse porte).

Então, nada de adiamento.

O que está acontecendo no INEP?

Nas últimas semanas, mais de 30 servidores do INEP pediram demissão em massa. Alguns desses servidores tinham cargos relacionados à aplicação da prova e ao processamento dos resultados. Por isso, todo mundo ficou preocupado e questionando a segurança e a ocorrência do exame.

Por que isso está acontecendo?

O contexto político brasileiro está um tanto complicado, já sabemos. Um pedido de demissão em massa significa, entre outras coisas, uma forma de protesto contra as lideranças envolvidas. Os servidores que pediram demissão acusaram a presidência do Instituto de assédio moral e fragilidade técnica na tomada de decisões, o que é grave. Eles serão ouvidos no Senado nos próximos dias.

Não haverá ninguém cuidando para que o ENEM aconteça?

Vai. O INEP tem 383 funcionários, e a essa altura o ENEM já está todo pronto.

Pode acontecer alguma coisa no dia da prova?

Sim. Mas esta sempre é uma possibilidade, independente desse momento de crise. No ENEM 2020, por exemplo, candidatos que tiveram algum problema com a infraestrutura das escolas, foram barrados por causa da superlotação nas salas ou solicitaram a reaplicação por conta de suspeita de covid-19, fizeram a avaliação posteriormente, na mesma data da aplicação para as pessoas privadas de liberdade (que, na edição deste ano, ocorre em nos dias 9 e 16 de janeiro. Nessa data, fazem a prova também os estudantes que se inscreveram em Setembro, quando as inscrições foram reabertas). De qualquer forma: mesmo com os pedidos de demissão do Instituto, resolver situações como essas no dia da prova ainda é um problema que pertence à equipe do INEP. Cabe a este time se preocupar com isso, e não aos estudantes. Se acontecer alguma coisa no dia da prova, na pior hipótese, você realizará a prova em Janeiro. O ponto é: você vai fazer o ENEM, de um jeito ou de outro.

Essa confusão pode atrasar o resultado oficial?

Não sabemos. Mas, de qualquer forma, a data do resultado oficial ainda não foi divulgada. Nos últimos anos, os boletins de desempenho individuais foram liberados em até dois meses após a aplicação das provas.

O SISU pode ser prejudicado?

Dificilmente. O SISU é um sistema de que participam todas as universidades federais e quase todas as estaduais brasileiras. Isso quer dizer que são muitos os atores envolvidos na sua condução, para além da equipe do INEP. Na edição de 2020, houve falhas no sistema, e, nessa ocasião, as manifestações dos estudantes pelas redes sociais foram importantes para pressionar o Instituto rumo à solução. Contudo, o SISU só deve ocorrer no início de 2022, e, portanto, isso não é um problema para agora. Caso aconteça, fique atento, mas só quando o SISU estiver acontecendo.

O que eu devo fazer?

Você deve continuar estudando e se preparando com foco e com calma para fazer uma boa prova. Nada do que você fizer vai alterar essa situação. Então, foque sua energia e siga com a sua preparação.

O que eu posso fazer pra diminuir a ansiedade antes da prova?

Na semana que antecede o ENEM, o melhor que você pode fazer é cuidar do seu bem-estar e da sua saúde mental e emocional. Aumentar o ritmo de estudos neste momento não vai ajudar. ao contrário, só aumentaria a pressão e o cansaço. Diminua o ritmo de estudos em algumas horas a menos diariamente nessas próximas duas semanas. Se estiver fazendo um curso pré-vestibular, conte com o apoio dos seus professores e orientadores para definir o que estudar nesses últimos dias.

Quem está estudando realiza um imenso trabalho mental, e, como seres humanos, somos também corpo e emoções. Direcione parte da sua energia para o corpo: se puder, faça alguma atividade física, qualquer que seja. Inclua mais atividades prazerosas na sua rotina, para recarregar a sua energia emocional e descarregar a tensão. E, muito importante: na sexta e no sábado que antecedem os domingos de prova (21 e 28), divirta-se, descanse, permita-se uma pausa inteligente nos estudos. Fazer uma super revisão no dia anterior até pode trazer algum ganho, mas a perda pelo desgaste é maior. Guarde sua energia para chegar no dia da prova mais descansado, com os pensamentos e sentimentos mais tranquilos. Assim, você terá mais energia disponível para usar tudo o que estudou e aprendeu. Essa é a natureza humana: precisamos de pausas. Quando vamos contra a natureza, perdemos. A favor da nossa natureza, ganhamos. Boa prova, estudante!

*Bruno Ferrari, coordenador pedagógico e orientador educacional do curso pré-vestibular da Filadd Academia de Estudos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.