‘Estão matando o Zé Dirceu’

‘Estão matando o Zé Dirceu’

Advogado Roberto Podval, que defende o ex-ministro-chefe da Casa Civil, condenado nesta quarta-feira, 8, a onze anos de prisão, afirma que 'hoje não se julga mais os fatos e sim o nome de quem aparece na capa do processo'

Fausto Macedo, Julia Affonso, Mateus Coutinho e Ricardo Brandt

08 Março 2017 | 12h36

O ex-ministro José Dirceu, preso pela Lava Jato. Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters

O ex-ministro José Dirceu, preso pela Lava Jato. Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters

O criminalista Roberto Podval, que defende José Dirceu, reagiu nesta quarta-feira, 8, com perplexidade à condenação do ex-ministro-chefe da Casa Civil (Governo Lula). “Estão matando o Zé Dirceu”, disse Podval ao comentar a segunda condenação imposta ao ex-ministro na Operação Lava Jato.

“Hoje não se julga mais os fatos e sim o nome de quem aparece na capa do processo’, afirmou Podval.
Dirceu está preso desde 3 de agosto de 2015. O juiz Sérgio Moro já condenou o petista em uma primeira ação a 20 anos e dez meses de prisão.

Nesta quarta, Moro impôs uma segunda condenação a Dirceu, agora impondo ao ex-ministro uma pena de onze anos e três meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no esquema de corrupção na Petrobrás – nesta segunda ação, o ex-ministro foi condenado por ter recebido R$ 2,1 milhões em propinas para favorecer a contratação da empresa Apolo Tubulars pela estatal petrolífera por meio da Diretoria de Serviços, cota do PT no esquema de cartel e corrupção na estatal.

“Estão matando o Zé Dirceu”, reagiu o advogado de defesa. “É mais fácil matá-lo que admitir sua inocência.”

“Espero com a teimosia dos burros que nossos juízes voltem a julgar se guiando pela constituição e não pela opinião pública.”

Mais conteúdo sobre:

José Dirceuoperação Lava Jato