‘Esse dinheiro era o dinheiro da Alstom?’, pergunta Delcídio

‘Esse dinheiro era o dinheiro da Alstom?’, pergunta Delcídio

Em diálogo gravado pelo filho do ex-diretor da Petrobrás, senador petista revela surpresa e preocupação com anotações que o relacionam à multinacional francesa

Mateus Coutinho e Julia Affonso

26 Novembro 2015 | 13h24

BRASILIA BSB DF 24/11/2015  POLITICA Plenário do Senado durante sessão deliberativa ordinária. Em pronunciamento, senador Delcidio do Amaral (PT-MS). Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Nos diálogos que levaram à sua prisão por tentar barrar as investigações da Lava Jato, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) mostra sua surpresa e preocupação ao se deparar com anotações do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró obtidas pelo banqueiro André Esteves relacionando o parlamentar à multinacional francesa Alstom.

O senador já foi citado pelo ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa como sendo destinatário de propinas da Alstom no período em que foi diretor de Gás e Energia da Petrobrás, entre 1999 e 2001, no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Na época, Cerveró era subordinado a Delcídio na diretoria.

VEJA TRECHO DA DELAÇÃO DE PAULO ROBERTO QUE CITA DELCÍDIO:

depoimentocostadelcidioalstom

Na conversa com o filho do ex-diretor, Bernardo Cerveró, e o advogado Edson Ribeiro, Delcídio conta que, em um dos encontros com o banqueiro, viu uma anotação manuscrita com o nome da empresa e o dele na última página do acordo de delação obtido por Esteves.

“Tem várias anotações e o que me chamou atenção que eu achei que poderia ser, é… é… é… a letra do Nestor, na última página dá uma olhada…na última página. tem assim ó, é… acordo 2005  Suíça”, comenta o senador, logo respondido por Bernardo, que tenta tranquilizá-lo sobre o assunto e afirma que a anotação manuscrita não teria entrado nos depoimentos do ex-diretor aos investigadores:

“BERNARDO: Hurum

DELCÍDIO: Aí, ele bota assim ALSTOM.

BERNARDO: Hum!

DELCÍDIO: Aí ele diz, aí ele bota assim…

EDSON: Acho que não tá apresentado não.

BERNARDO: Oi? Não. Isso foi…

DELCÍDIO: Mas tá trás. Eu vi porque tá escrito.

BERNARDO: Não, não foi. Com certeza não foi. O problema é que eles (Ministério Público) jogaram esse
verde…”

[veja_tambem]

Em outro momento do diálogo o senador não esconde a preocupação com o fato de Cerveró poder revelar detalhes do envolvimento dele com a Alstom. “Tá lá assim, acordo de 2010, aí ele bota lá um troço assim, eu não lembro o nome agora, porque porra rapaz! Eu levei um…Você imagina, você vai conversar com o cara (André Esteves), de repente o cara me aparece com uma porra daquela, quer dizer, como é que esse cara conseguiu? E com as anotações, aí ele diz assim, ele cita o nome Guimarães operador Delcídio E se..se fosse, que vantagem eu teria de falar para vocês que eu não…”

OUÇA A CONVERSA DE DELCÍDIO (A FALA SOBRE A ALSTOM COMEÇA NO MIN 41)

Mais à frente, no diálogo, Delcídio tenta confirmar com Bernardo Cerveró e com Edson Ribeiro que o ex-diretor não mencionaria ele e a Alstom na delação, e é tranquilizado pelos dois que relembram um acordo de Nestor Cerveró com as autoridades do país europeu nas investigações da Alstom para não ser processado lá. Ao saber disso, o próprio senador conclui que havia “dinheiro da Alstom” mantido no exterior pelo ex-diretor Internacional.

“BERNARDO: Isso foi aquela estória que no final você falou. Que no final eles (MPF) jogaram. A gente sabe que vocês fizeram que você fez acordo com a Procuradoria que é um acordo de confidencialidade mas, que em off o tal do procurador suíço

DELCIDIO: Mas ele (Cerveró) chegou a fazer algum acordo com aquele procurador suíço?

EDSON: Foi fez. Pagou

DELCIDIO: Mas a título de que ele fez?

EDSON: Pagou. Pra não ser processado.

BERNARDO: Pra não ser processado lá.

DELCIDIO: Ah por causa de depósito em conta?

EDSON: Todo dinheiro que tava lá na Suíça ficou pra Procuradoria da Suíça. Então ele foi processado e o assunto morreu aí.

DELCIDIO: Pois é. E esse dinheiro era o dinheiro da Alstom? Ah foi por isso que ele fez o acordo?Entendi. Ele nunca me falou isso”.

Multinacional francesa também é investigada na Inglaterra. Foto: Estadão

Multinacional francesa. Foto: Estadão

Em 2011 o Ministério Público da Suíça fez um acordo que impôs à Alstom uma multa no valor equivalente a R$ 85,2 milhões por suspeitas de pagamento de propinas a funcionários públicos de outros países, incluindo o Brasil, para obter facilitação em processos de licitação.

Com o pagamento, a investigação contra a multinacional foi encerrado em território suíço e ninguém foi preso. A decisão, contudo, não interfere nas investigações em São Paulo sobre suposto esquema de corrupção envolvendo a atuação da companhia durante as gestões do PSDB no governo do Estado em que é citado o conselheiro Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que nos anos 1990 foi chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB).

Antes disso, contudo, o MP suíço chegou a solicitar aos investigadores brasileiros, em 2009, informações para apurar suspeitas sobre um consórcio entre a estatal petrolífera e a EMAE, antiga estatal paulista, na Usina Termoelétrica Piratininga formado em 2005.

O suposto envolvimento de Delcídio com a Alstom foi mencionado pela primeira vez na delação premiada do ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa em sua delação premiada no ano passado. Costa relatou aos investigadores ter ouvido dizer que Delcídio teria usado o apagão como justificativa para forçar a contratação emergencial de turbinas de gás termelétricas da multinacional francesa Alstom quando era diretor da Petrobrás.

Segundo o delator, o parlamentar teria recebido propina da empresa pelo negócio. Na ocasião, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, considerou insuficientes as acusações de Costa, baseadas em comentários que ele teria ouvido, e pediu o arquivamento da investigação contra o parlamentar, o que foi acatado pelo Supremo Tribunal Federal.

COM A PALAVRA, A ALSTOM

A Alstom não vai comentar e reitera o seu total compromisso no seguimento das leis e regulamentos dos países onde atua.