Escritora e companheira denunciam motorista de aplicativo por homofobia

Escritora e companheira denunciam motorista de aplicativo por homofobia

Marília Cafe, de 32 anos, registrou um trecho da discussão em que o motorista contesta a orientação sexual do casal durante uma corrida no município Serra, a 29 quilômetros da capital capixaba; em nota, a empresa afirmou que ‘repudia qualquer tipo de discriminação’ e que o colaborador foi desativado

Jayanne Rodrigues

30 de março de 2022 | 15h55

Post compartilhado pela escritora na terça-feira, 29, após o ocorrido. Foto: Reprodução/ Twitter

Durante um trajeto na Uber, a escritora Marília Cafe, 32, denunciou nas suas redes sociais que ela e a companheira foram vítimas de homofobia através de agressões verbais do motorista do aplicativo. Elas pediram um carro na tarde de terça-feira, 29, em Serra, cidade a 29 quilômetros de Vitória. Conforme relato da escritora na publicação, a viagem durou aproximadamente 15 minutos. Segundo Marília, ao longo do caminho, quando o homem percebeu que elas eram um casal, ele teria dito que eram “aberrações e não deveriam nem existir”. No mesmo dia do ocorrido, a empresa foi notificada. O casal também prestou boletim de ocorrência.

Em entrevista ao Estadão, a escritora contou que foi a primeira vez que sofreu esse tipo de abuso em aplicativos de transporte. Ela detalhou que o motorista começou a falar sobre questões políticas, despejar discursos de ódio e aumentar o tom de voz. Neste instante, elas decidiram se manter em silêncio com medo de represálias. Alguns minutos depois, Marília revidou algumas falas do homem e registrou a discussão. Veja o vídeo:

“Estou me sentindo desrespeitada dentro do seu carro”, disse Marília. Em seguida, o motorista reagiu à queixa da escritora. “Homem nasce homem. Mulher nasce mulher, querida. Isso não existe”. Ao longo da discussão, a outra mulher afirmou que ele estava sendo preconceituoso e pediu para que ele parasse com os ataques verbais. Nas imagens, é possível perceber que o condutor responde em tom de deboche. “Está chegando já. Vou parar e vocês descem”. Ele ainda argumentou que “tinha direito de opinar”. A discussão continuou. 

Em resposta, o casal se defendeu afirmando que ele não tinha direito de opinar sobre a sexualidade delas, pois ele estava “ferindo a existência de outras pessoas”. E acrescentaram: “É isso que o senhor está fazendo”. No final do vídeo, a escritora expõe para o motorista que a discussão estava sendo filmada. Segundo Marília, o homem se exaltou quando soube da gravação. 

A empresa foi cobrada publicamente pela escritora. No tweet, ela perguntou para a Uber “como ela seleciona seus motoristas”. A publicação viralizou no Twitter. Com mais de 50 mil curtidas, internautas pressionaram o aplicativo por medidas severas. De acordo com Marília, a empresa avisou através de ligação telefônica que o motorista não estava mais na rota do aplicativo. 

COM  A PALAVRA, A UBER

“A Uber defende o respeito à diversidade e reafirma o seu compromisso de promover o respeito, igualdade e justiça para todas as pessoas LGBTQIA+.  A empresa considera inaceitável qualquer tipo de discriminação e a conta do motorista parceiro foi desativada assim que tomamos conhecimento do ocorrido.

Em parceria com o MeToo, a Uber disponibiliza um canal de suporte psicológico que foi informado à usuária e segue disponível. Além disso, a empresa está à disposição para colaborar com as autoridades e compartilhar informações sobre os envolvidos, observada a legislação aplicável.

Sabemos que o preconceito, infelizmente, permeia a nossa sociedade e que cabe a todos nós combatê-lo. Como parte desses esforços, a Uber lançou, por exemplo, o podcast Fala Parceiro de Respeito, em parceria com a Promundo, com conteúdos educativos sobre LGBTfobia.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.