Entidades reagem a Bolsonaro por ‘agressão à Advocacia’

Entidades reagem a Bolsonaro por ‘agressão à Advocacia’

Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP), Movimento de Defesa da Advocacia (MDA), Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (Cesa) e Sindicato das Sociedades de Advogados dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro manifestam solidariedade ao mandatário da OAB, alvo de manifestação do presidente

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

30 de julho de 2019 | 05h49

Presidente Jair Bolsonaro. FOTO: EVARISTO SA/AFP

Cinco importantes entidades da Advocacia se uniram para manifestar solidariedade ao presidente da OAB nacional, Felipe Santa Cruz, diante da declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre o desaparecimento de seu pai, Fernando, na ditadura militar.

As entidades atribuem a Bolsonaro ‘agressão à Advocacia’.

Nesta segunda, 29, o presidente falou sobre o desaparecimento do pai de Santa Cruz, que foi preso nos anos 1970 pelas forças de segurança do Estado durante a ditadura militar e até hoje desaparecido.

“Se o presidente da OAB quiser saber como o pai desapareceu no período militar eu conto para ele”, disse Bolsonaro.

“Não se mostra aceitável a agressão à Advocacia, o desrespeito à dor e o ataque pessoal ao presidente da OAB, tampouco, a violação dos valores inerentes à Democracia”, reagiram, em nota conjunta, as entidades.

Subscrevem o documento o presidente da Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), Renato José Cury, o presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP), Renato de Mello Jorge Silveira, o presidente do Movimento de Defesa da Advocacia (MDA), Eduardo Perez Salusse, o presidente do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (Cesa), Carlos José Santos da Silva, e o presidente do Sindicato das Sociedades de Advogados dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro (Sinsa), Luis Otávio Camargo Pinto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.