“Enquanto houver bambu, lá vai flecha”, diz Janot sobre últimos meses na PGR

“Enquanto houver bambu, lá vai flecha”, diz Janot sobre últimos meses na PGR

Procurador-geral da República afirmou durante o Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, que até o dia 17 de setembro, quando termina seu mandato, a "caneta está em suas mãos" e por isso manterá o ritmo das investigações da Lava Jato

Fábio Serapião, Pedro Venceslau e Aline Bronzati

01 de julho de 2017 | 13h26

Rodrigo Janot. Foto: Alex Silva/Estadão

 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou durante o Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, que até o dia 17 de setembro, quando termina seu mandato, a “caneta está em suas mãos” e por isso manterá o ritmo das investigações da Lava Jato.

De acordo com Janot, “enquanto houver bambu lá vai flecha” sobre possíveis denúncias e investigações contra agentes públicos com foro privilegiado.

Responsável pela denúncia contra o presidente da República Michel Temer por corrupção passiva, o PGR explicou que as apurações sobre obstrução de Justiça e organização criminosa continuam.

“Essas investigações tem vida própria. Elas têm prazos diferentes de acordo com complexidade do fato. Uma tá mais adiantado e outra exige mais trabalho”, disse Janot.

Tudo o que sabemos sobre:

rodrigo janotoperação Lava Jato

Tendências: