Encilhamento

Leia o relatório da Polícia Federal que mira fraudes de R$ 1,3 bilhões em fundos de pensão municipais

Luiz Vassallo, Fábio Serapião e Fausto Macedo

19 de abril de 2018 | 17h33

A Operação Encilhamento, que mandou 20 pessoas temporariamente para a cadeia na última quinta-feira, 12, investiga supostas fraudes em Institutos de Previdência Municipais.

A investigação suspeita que os fundos mantêm debêntures sem lastro (título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor) que ultrapassam R$ 1,3 bilhão.

“O esquema se inicia com a criação de empresas de fachada, que passa a ser autorizada a emitir debêntures, que são títulos de créditos de mercado. Consultores ligados aos esquemas ofereciam investimentos a fundos de previdência municipais sob o argumento de que são vantajosos. As prefeituras ‘adquirem as debêntures, ou por meio de papeis ou por meio de outros fundos, que adquirem cotas de outros fundos que adquirem os papeis”, revelou a PF.

Com base nas investigações, os delegados Ricardo Ruiz Silva e Melissa Maximino Pastor, especialistas em combate à corrupção e crimes financeiros, pediram autorização à Justiça para realizar as prisões, depoimentos e buscas.

Todos investigados – pessoas físicas, empresas e fundos – estão apresentando suas versões à Polícia Federal. Eles negam envolvimento em irregularidades.

Leia o relatório:

Documento

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.