Emprego x trabalho: uma nova era no mercado

Emprego x trabalho: uma nova era no mercado

Juliana Guimarães*

13 de julho de 2021 | 03h00

Juliana Guimarães. FOTO: DIVULGAÇÃO

A era do emprego acabou. E não acabou por conta da grande ruptura que vimos em 2020 com a pandemia da Covid-19. Ela de fato, apenas acelerou todo o processo. Você, por exemplo, tem um trabalho ou emprego? Nunca pensou nisso ou não sabe a diferença?

Entender os conceitos de trabalho e emprego pode transformar a sua carreira e a forma como você enxerga o seu trabalho.

O fato é que empreender não é mais uma opção. É a única. E empreender no sentido de ser capaz de identificar oportunidades e ameaças, agarrar recursos para fazer as coisas acontecerem. É sobre atitude, poder de execução e saber o que quer. E nesse sentido, o profissional do futuro é um profissional empreendedor.

No empreendedorismo, mora a diferença entre trabalho e emprego, que é na intenção. O emprego trata de uma relação de troca, geralmente entre empregado e empregador, uma via de mão dupla apenas: você vende seu tempo para uma empresa, que te paga pelo que você está produzindo.

Já o trabalho é a nossa relação com o mundo e a maneira como queremos nos relacionar com ele e com as pessoas que vivem aqui. É uma questão individual, é um esforço intencional de criar um produto, de prestar um serviço ou de comercializar alguma coisa. E o profissional que tem essa relação com o trabalho, é empreendedor.

Trabalhar é criar valor. Não é apenas entender o que você sabe fazer e no que você é bom, mas encontrar o que te motiva.  A maior parte das pessoas não gosta do emprego, mas se sente feliz com o que faz. A realidade é que essas pessoas estão presas a uma falsa sensação de segurança da relação de emprego.

É hora de entender que o mercado sofreu transformações importantes e que elas não começaram em 2020, na maior crise sanitária que nossa geração viveu. Elas foram aceleradas pela pandemia e continuarão mudando – cada vez mais e mais rápido, nos dando menos tempo para a adaptação.

No ciclo evolutivo sobrevive aquele se adapta melhor e mais rápido. Viver nesse ambiente de negócios exige capacidade de analisar o mercado, entender suas forças e fraquezas (internas, sejam do profissional ou da empresa) e ter habilidade para se moldar ao novo contexto com eficácia e eficiência.

Quem se adaptar melhor e mais rápido, tem vantagem competitiva na disputa por um emprego, para fazer uma transição de carreira com sucesso ou para gerenciar um negócio.

A primeira coisa que você deve ter na hora de definir o trabalho dos seus sonhos é autoconhecimento. Você é a única pessoa que pode entender qual é o seu principal combustível e o que te motiva a trabalhar. Descobrir o seu “porquê” é mais importante do que definir seu “como” e seu “o quê”.

Para ajudar, precisamos refletir sobre três relações que interferem diretamente no seu trabalho e que te ajudam a entender suas principais motivações e realizações:

  • Relação financeira: Qual o papel e o peso do dinheiro para você? Qual seria o seu salário ideal? O que você faria feliz pelo resto da vida sem receber nada em troca?
  • Relação social: Como o seu trabalho impacta o mundo? Quais pessoas são diretamente afetadas pelo que você faz? O que você pode fazer para melhorar essa relação e oferecer mais à sociedade?
  • Relação psicológica: Quais são suas motivações para trabalhar todos os dias? Quais suas principais realizações na carreira? Quais são os pontos positivos e negativos das suas atividades principais?

Reflita sobre essas relações e como elas interferem na sua vida hoje. Qual delas tem mais peso hoje e qual é (ou deveria ser) a mais importante? A relação psicológica deve ter um peso importante: você vai precisar dela para manter-se atualizado constantemente (tornar-se um lifelong learner) e vai trazer satisfação nessa relação de trabalho.

A grande diferença entre trabalho e emprego está no amor, que é quando a intenção vira ação. Quando você une o que ama fazer com o que você pode oferecer para o mundo e com um retorno financeiro para que você possa viver feliz. E para conseguir isso, você tem que tornar-se um profissional empreendedor.

*Juliana Guimarães, cofundadora do 55Lab.co

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.