Empreender no novo normal

Empreender no novo normal

Fernando Massi*

28 de junho de 2020 | 04h00

Fernando Massi. FOTO: DIVULGAÇÃO

A nova realidade, causada pela pandemia do coronavírus, é desafiadora. De repente, empreendedores, funcionários e desempregados se viram em um outro cenário, que exigiu agilidade para se manterem firmes em uma circunstância quase cinematográfica. Se esse processo de adaptação foi complexo, desmistificar o futuro e compreender como o mercado será afetado parece ainda mais difícil – talvez até impossível.

O momento atual nos fala muito mais sobre aprendizado do que sobre previsões. A busca por inovação deve estar associada aos estudos sobre as tendências de comportamento. Essa combinação de habilidades é a chave para empreendedores e empresários se conectarem com seus mercados e reconhecerem as necessidades do consumidor. Se por um lado as crises estão repletas de impactos negativos, também apresentam grandes oportunidades para quem mantém o olhar atento. O empresário João Paulo Lemann, sócio do fundo 3G, diz que empreender na crise foi a melhor maneira para consolidar os maiores negócios da sua vida. A lição basilar é a de que, independentemente do momento – seja uma pandemia ou apenas uma fase ruim no empreendimento –, ações ousadas são essenciais.

Para quem pensa em empreender nesse momento, o ideal é buscar por caminhos que reduzam as chances de falência e ofereçam suporte a quem não tem experiência com abertura de um negócio. Dentro dessa possibilidade, o Franchising proporciona modelos de negócio mais justos, que visam o crescimento coletivo e fortalecimento da rede no mercado.

Segundo os dados levantados pelo relatório da Associação Brasileira de Franchising (ABF) e pela pesquisa da Bain & Company, o segmento líder no universo de franquias é o da saúde. Em 2019, apresentou o segundo maior faturamento, de R$ 34,2 bilhões. Na pesquisa da Bain & Company, aparece entre os tipos de negócios mais valorizados durante a crise e continuarão se mantendo em alta nos próximos meses.

As agências de marketing digital se consagraram como bons investimentos. No ano passado, o faturamento de R$ 6 bilhões foi acompanhado do maior crescimento financeiro no franchising. Um outro segmento que ganhou destaque foi o ensino à distância, que já era uma tendência antes da chegada da crise. Já o setor de alimentação, fortemente abalado pela pandemia, vai precisar se apoiar nos aplicativos de delivery para se reinventar.

Para quem busca uma oportunidade em meio à crise e está pronto para avançar no empreendedorismo, o ideal é estudar a fundo as melhores opções diante da situação do mercado e do seu perfil empreendedor. Em tempos instáveis, a melhor estratégia é investir em informações confiáveis. Se você considera as franquias atrativas, entenda completamente o modelo de negócio oferecido. Converse com outros franqueados, leia a Circular de Oferta de Franquia (COF) com atenção e, se possível, agende um “test drive”.

Toda e qualquer crise é capaz de desestabilizar o mercado. Mas, da mesma forma que esses períodos começam, uma hora eles acabam. Comece a planejar o futuro agora. Assim, quando a crise terminar, você estará pronto para colocar seus projetos e sonhos em ação.

*Fernando Massi, sócio-diretor da OrthoDontic

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.