Em três horas, acordo põe fim a uma dívida de 26 anos

Em três horas, acordo põe fim a uma dívida de 26 anos

Audiência de conciliação no Fórum da Comarca de Nobres, interior de Mato Grosso, acaba com demanda iniciada em 1990 entre uma empresa agropecuária e instituição financeira

Fausto Macedo e Julia Affonso

30 de agosto de 2016 | 13h03

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Em apenas três horas, uma audiência de conciliação promovida pelo Fórum da Comarca de Nobres – a 146 quilômetros de Cuiabá -pôs fim a uma ação judicial que tramitava há 26 anos. O acordo formalizado entre uma empresa agropecuária e a unidade do Banco do Brasil local foi fechado em R$ 1,4 milhão, o que representa redução de R$ 1 milhão no valor total devido.

As negociações tiveram início durante o mutirão financeiro realizado entre os dias 15 e 19 de agosto, no Fórum de Nobres.

A ação faz parte da parceria firmada entre a comarca, a instituição bancária e o Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec). O processo referente ao empréstimo feito pela empresa tramitava desde 1990.

De acordo com o juiz responsável pela comarca, Raul Lara Leite, o caso era um dos mais complexos e longos de Nobres, e foi encerrado ‘em decorrência da utilização do método autocompositivos’.

“Graças à conciliação e mediação conseguimos fazer com que as partes envolvidas no processo entendessem que poderiam resolver a questão de forma benéfica para ambos. Que ninguém estava mais preparado para concluir o litígio que eles mesmos. Este é o empoderamento que o método oferece para quem o adota”, argumenta o magistrado.

Caso a ação ajuizada prosseguisse, a fazenda pertencente aos proprietários da empresa agropecuária iria a leilão nos próximos meses. A dívida total era de R$ 2,4 milhões.

Na avaliação do juiz Raul Lara Leite, os números ‘confirmam o sucesso das técnicas aplicadas’.

Em duas semanas, o montante negociado em dois mutirões chegou à quantia de R$ 4,5 milhões. “Uma mostra de que a melhor saída é a busca pela pacificação social, que é o caminho mais rápido para garantir a Justiça a todos”, concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:

Mato Grosso

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.