Em pedido, MPF cita superfaturamento de R$ 600 mil em Abreu e Lima

Veja a íntegra do documento encaminhado pela Procuradoria da República que pede a conversão de prisão temporária em preventiva de 12 presos na sétima etapa da Lava Jato

Redação

18 de novembro de 2014 | 19h19

Por Mateus Coutinho

O Ministério Público Federal cita indícios de sobrepreço e superfaturamento de cerca de R$ 613 mil no contrato da Petrobrás com a Camargo Corrêa em obras da Refinaria de Abreu e Lima para justificar o pedido de conversão da prisão temporária em prisão preventiva do diretor-presidente da companhia, Dalton dos Santos.

Além do executivo da Camargo Corrêa, o MPF requereu nesta terça-feira, 18, que outras 11 prisões temporárias  – que têm prazo de cinco dias – decorrentes da sétima etapa da Operação Lava Jato, na última sexta-feira, sejam convertidas em prisões preventivas, sem prazo para acabar.

Veja abaixo a íntegra do pedido do MPF encaminhado nesta terça:

Documento

Documento

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato