Em crise com servidores, Justiça de MG paga salário acima do teto para 1.309 magistrados

No caso de 75 magistrados, o mês de fevereiro reservou um rendimento líquido acima do dobro do teto

André Borges / Brasília

26 de março de 2019 | 14h32

Em plena crise com seus 18 mil servidores, que cobram um reajuste de 2,9% para recomposição salarial do ano passado, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) somou, em sua folha de pagamento de fevereiro, nada menos que 1.309 magistrados – juízes e desembargadores – com rendimento líquido acima do teto constitucional de R$ 39.293,32. Trata-se de 85% dos magistrados do tribunal, que emprega um total de 1.537 juízes ou desembargadores.

A folha de pagamento de fevereiro superou a de janeiro, quando 558 magistrados também receberam salários líquidos que superam o valor máximo fixado pelo Supremo Tribunal Superior Eleitoral e sancionado pela Presidência da República.

No caso de 75 magistrados, em especial, o mês de fevereiro reservou um rendimento líquido acima do dobro do teto (R$ 78.586,64). Nesta lista estava, por exemplo, o desembargador Renato Luís Dresch, que determinou, no dia 22, a suspensão imediata do movimento grevista iniciado pelos servidores de 2ª. Instância do TJMG no último dia 19. Dresch, que criticou a crise financeira de Minas Gerais e disse que era um “privilégio” os servidores da Justiça receberem seus salários em dia, recebeu salário de R$ 89.586 no mês passado.

O Sindicato dos Servidores da Justiça de 2.ª Instância do Estado de Minas Gerais (Sinjus-MG) acatou a liminar. Na próxima quinta-feira, 28, haverá uma audiência de conciliação com os servidores, para tentar um acordo. Os funcionários cobram a recomposição salarial com a inflação de 2018, de 2,9%, e o pagamento de um auxílio-saúde, que já foi definido em uma ajuda de custo entre R$ 200 e R$ 300 por mês, conforme o tempo de trabalho de cada servidor.

O principal motivo dos salários explosivos dos magistrados são as chamadas “vantagens eventuais”. Eles recebem abono constitucional de 1/3 de férias, indenização de férias regulamentares e de férias prêmio, além de antecipação de férias, gratificação natalina, antecipação de gratificação natalina, serviço extraordinário, substituição, pagamentos retroativos, auxílio-livro, entre outros. Contam com 60 dias de férias anuais e outros três meses que podem retirar, a cada cinco anos.

Entre 2018 e 2019, o valor total orçado no TJ-MG para pagamento dos servidores da ativa cresceu 6,3% em relação ao ano anterior, enquanto o valor destinado aos magistrados da ativa cresceu 36,1%, isso sem considerar os auxílios. As chamada “Outras Despesas Variáveis (Férias-Prêmio), por exemplo, cresceram em 885% para os magistrados da ativa.

“O Sinjus-MG está cumprindo a liminar de suspensão da greve, mas manterá estado de greve, o que significa manter a base mobilizada para nova deflagração a qualquer momento”, declarou o órgão.

Tudo o que sabemos sobre:

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.